Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 14 de Abril de 2021

0 1
:
4 6
:
4 7

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Política

5 Abr 2021 - 17:50

Município pede ao STF para suspender decisão do TJ sobre decreto

Ação aponta que decisão da desembargadora causa "desordem"; ministro Luiz Fux deve apreciar

Midea News

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
A Prefeitura de Pontes e Lacerda acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para que seja suspensa a decisão proferida pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) que impôs o cumprimento das regras do último decreto do Governo do Estado para combate à pandemia da Covid-19.

O pedido encontra-se no gabinete do presidente do STF, ministro Luiz Fux, para apreciação.

Na peça, a Procuradoria-Geral do Município defende que a decisão assinada pela presidente do TJMT, desembargadora Maria Helena Póvoas, causou “desordem e insegurança e interferência no planejamento municipal”.

Isso porque a determinação foi proferida em ação movida inicialmente pelo Ministério Público Estadual contra a Prefeitura de Cuiabá, onde pedem a declaração de inconstitucionalidade do decreto que havia sido editado pelo prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).A desembargadora estendeu a decisão para todos os municípios e disse que os prefeitos que não cumprirem a ordem judicial seriam responsabilizados.

“Sem originariamente fazer parte da ADI [...], o município de Pontes e Lacerda e seu gestor municipal, que nada tinham a ver com a referida demanda judicial [...], viram-se surpreendidos com a decisão judicial que à revelia e sem lhes garantir o direito ao contraditório, ampla defesa e devido processo legal, obrigá-los a seguir o decreto estadual”, diz trecho da peça da Prefeitura.

Na inicial, a Procuradoria de Pontes e Lacerda ainda aponta que a decisão da desembargadora viola o preceito constitucional da separação dos poderes e “coloca em risco a ordem, a segurança pública e a economia no município”.

O Município afirma que, ainda que a intenção do MPE e da Justiça seja buscar uma solução mais enérgica para amenizar os impactos que a pandemia tem causado no Estado, “não se mostra razoável e nem admissível que uma decisão judicial [...] venha a substituir o critério de conveniência e oportunidade que rege a edição dos atos da administração pública”.

Tumulto e protesto

A Prefeitura defende que a intervenção do Judiciário apresenta-se ainda mais grave a partir do momento em que o Governo do Estado já havia dito que o decreto publicado por eles não era impositivo, mas sugestivo, cabendo aos gestores municipais a adoção ou não das medidas restritivas.

A decisão judicial, conforme o Município, “gerou revolta nas pessoas” e causou “tumultos e aglomerações pelas cidades, cuja quarentena obrigatória teria que ser obrigatoriamente implementada”.

O Município cita ainda a realização de uma carreata na cidade, no dia 31 de março, em protesto pela determinação da desembargadora.

“Que mais uma vez repisa-se ter violado a autonomia do município, culminou em aglomeração nas ruas da cidade, causando caos e aumentando ainda mais a probabilidade de contaminação, dado o fluxo de pessoas pelas vias públicas”, pontuou.

A ação ainda cita as dificuldades do ente municipal em fazer valer partes do decreto, como é o caso da instalação de barreiras sanitárias.

“No caso de Pontes e Lacerda, o município possui inúmeras vias de acesso aos seu território, sendo impossível, em poucas horas, para dar cumprimento à decisão liminar do TJMT, providenciar as barreiras sanitárias exigidas pelo decreto estadual”, afirmou.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet