Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 14 de Abril de 2021

0 2
:
1 4
:
1 6

Últimas Noticias

Notícias / Política

6 Abr 2021 - 11:30

"Tomaria o medicamento que fosse", diz Emanuel sobre ir a encontro com Mauro

RD News

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
Para o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) a rivalidade com o governador Mauro Mendes (DEM) não atrapalha a gestão. Ele fez um desabafo sobre a relação com o governador com quem já foi aliado e rompeu. Ao comentar sobre o assunto, Emanuel tenta colocar panos quentes, mas reconhece que o diálogo entre eles está longe de acontecer.“As equipes técnicas estão conversando e isso que importa. Não tem que ter um encontro que não agrada a mim e nem a ele. Parem com isso. A cidade jamais seria prejudicada. Se eu imaginasse que Cuiabá pudesse ser prejudicada, tomaria o medicamento que fosse e iria a esse encontro. Mas não é necessário, Cuiabá sabe superar as dificuldades. Então, me deixem mais à vontade para falar”, afirmou o prefeito em entrevista à rádio Jovem Pan nesta terça (6).

Emanuel garante que a rusga não é uma crise institucional e critica aqueles que reclamam da troca de farpas entre prefeito e governador. A relação que já complicada ficou ainda mais intensa ano passado nos primeiros meses da pandemia de Covid-19 quando o prefeito defendia medidas mais rígidas de isolamento social e Mauro entendi que não era necessário naquele momento.

Já com o início da campanha eleitoral, quando Emanuel foi à reeleição, Mauro jogo todas as fichas em Roberto França (Patri) que acabou em 4º lugar no primeiro turno. Com a derrota, Mauro decidiu apostar em Abílio Júnior (Pode) que também acabou derrotado e Emanuel conquistou mais um mandato.

 Neste ano, com o recrudescimento da pandemia, o governador passou a cobrar medidas de isolamento para conter o avanço do vírus e decretou quarentena de 10 dias em municípios com alto risco de contaminação, como Cuiabá. Dessa vez, Emanuel mudou de posição e criticou o rival. Ele entendeu que após a experiência do ano passado, haveria outras formas de manter o funcionamento do comércio e conter a Covid. O caso acabou sendo definido pelo Judiciário que determinou o cumprimento do decreto estadual.

“Não sou eu que estou brigando. Tudo que eu opino falam que eu estou brigando. A falta de maturidade não está aqui e sim do outro lado. Perdidos, imaturos, irresponsáveis que me agridem o tempo todo. Não estou preocupado se estou agradar. O toque de recolher, por exemplo, foi para agradar capricho pessoal. Se fosse das 23h às 5h mudaria muito pouco e daria condição ao comércio noturno”, concluiu.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet