Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 14 de Abril de 2021

0 2
:
3 5
:
4 9

Últimas Noticias

Notícias / Política

6 Abr 2021 - 14:00

Mauro critica baixo isolamento e diz que "muitos morrem" por ignorar pandemia em MT

Governador participa de reunião com Anvisa para definir sobre vacina russa

WELINGTON SABINO

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
Após ter publicado estadual um decreto impondo quarentena de 10 dias em pelo menos 50 cidades com alto risco de contaminação para Covid-19, o governador Mauro Mendes (DEM) afirmou que o Governo do Estado fez e continua fazendo a sua parte, mas por outro lado a população não faz a sua, colocando Mato Grosso como o Estado com o menor índice de isolamento social do Brasil. "A maioria da sociedade está tocando a vida como se nada tivesse acontecendo e já está amplamente comprovado que o vírus circula entre as pessoas, o vetor de propagação do vírus somos nós mesmos, seres humanos. O vírus não vai pelo ar, pelo gato, pelo cachorro, ele vai pelas pessoas com contato, pela saliva principalmente, que transmite o vírus que está trazendo hoje graves consequências pra saúde e pra vida de muita gente", colocou Mendes durante entrevista à Rádio CBN Cuiabá.

Ele também observou que o Brasil tem hoje 30% das mortes registradas em todo o mundo todo por Covid-19. "Algo errado está acontecendo. Os números mostram isso e não há como negar", lamentou. 

Mendes ressaltou que o Governo do Estado vem tentando frear o contágio do coronavírus e, por isso, enviou para a Assembleia o projeto de antecipação de feriados, mas foi reprovado em plenário pelos deputados estaduais. "Estamos tentando fazer o distanciamento, mas a maioria não quer. Então, as consequências vêm e estão aí: muita gente circulando, muito vírus circulando e lamentavelmente dói muito, eu mesmo conheço muitos amigos e pessoas próximas que perderam a vida. Já vi famílias inteiras, pai, mãe, filho perdendo a vida. Conheço pessoas muito próximas de mim que morreram. É muito triste isso", disse Mendes.

Conforme o governador, antes da pandemia, Mato Grosso contava com 127 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes com outras comorbidades que demandam o tratamento contínuo e com o avanço da pandemia o Estado fez investimentos chegando a 585 UTIs em março, abertas inclusive, em parcerias com prefeituras de vários municípios. "O governo paga a conta. Garantimos R$ 2 mil por cada leito por dia para cada UTI. Se abre  10 UTIs é R$ 20 mil por dia, em 30 dias são R$ 600 mil por mês que custa cada 10 UTIs. Faz a conta de 585 UTIs, vezes R$ 2 mil por dia, vezes 30 dias nesse período", argumentou o gestor. 

Thank you for watching

Ainda em relação à abertura de UTIs, Mauro mendes observou que parte dos recursos vem do Governo Federal, mas quando esses repasses não chegam a tempo, é o Governo do Estado arca com os curtos. "O governo fez decreto dizendo que pode abrir UTI e se o governo federal não pagar, nós, o Governo do Estado, paga. Compramos testes, a Arena atendendo mil pessoas por dia. Esse serviço deveria ser feita na atenção básica, mas ao invés de ficar criticando, o Governo do Estado foi lá e fez. Compramos 500 mil testes antígenos (alta precisão), rápido que sai em 15 minutos, para distribuir aos municípios para identificar as pessoas infectadas e não continuarem transmitindo", relatou o goverandor. 

Mauro Mendes também afirmou que sua decisão de não abrir um hospital de campanha ao custo de R$ 15 milhões a R$ 20 milhões para funcionar por quatro ou cinco meses ao longo de 2020 foi acertada, pois segundo ele, esses valores foram investidos na ampliação do Hospital Metropolitano de Várzea Grande que é hoje a maior unidade voltada exclusivamente para atendimento de pacientes com Covid. "Ainda bem que eu não quis entrar nesse senso comum. Ampliamos o Hospital Metropolitano, gastamos o mesmo que um hospital de campnaha. São 278 leitos para sempre, ampliado, construido, hoje maior hospital que temos que atende Covid". 

Ao longo da entrevista, o governador ressaltou que as pessoas precisam adotar as medidas de biossegurança para evitar o contágio pela Covid-19, porque faltam médicos intensivistas e profissionais qualificados em todo o Brasil e desse modo os hospitais enfrentam dificuldades em conseguir atender toda a demanda de pacientes. Nesse contexto, ele alertou que em nada adianta a pessoa trabalhar em home office, mas continuar promovendo encontros em casa reunindo amigos e familiares para festinhas e churrascos aos finais de semana. Segundo ele, nesses encontros podem ter pessoas contaminadas sem apresentar sintomas que repassam o vírus adiante. 

VACINAS

Mauro Mendes também comentou sobre a convocação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uma reunião na tarde desta terça-feira (6) entre 11 governadores de para discutirem sobre a possível liberação da vacina russa contra a Covid-19, a Sputnik V. Mato Grosso é um desses estados que se juntaram para comprar o imunizante que ainda nao liberação emergencial da Anvisa para ser utilizado no Brasil. 

O governador explicou que os Estados se uniram num consórcio do Nordeste e Amazônia Legal para compra das vacinas direto com o fundo russo, mas o combinado com o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, era que as doses do imunizante seriam entregues ao Governo Federal para utilizar como parte do Plano Nacional de Imunização (PNI). Nesse caso, o Ministério da Saúde pagaria pelas vacinas, mas com a troca de ministro essa certeza já não existe.

Mauro Mendes afirmou que se o Estatado pagar pela vacina com recursos próprios ela não será entregue ao Governo Federal e até o momento o atual ministro, Marcelo Quiroga, não se posicionou sobre o assunto.

"Não tivemos uma posição formal do atual ministro", criticou Mendes ao observar que o Governo de Mato Grosso pode pagar pelo imunizante, pois segundo ele, o Estado tem "R$ 100 milhões reservados para essa finalidade, mas desde que a vacina seja destinada ao Estado".  Por isso, ele particpará da reunião na qual vão tratar de procedimentos burocráticos para autorização da vacina poder entrar no Brasil. Pelos prazos iniciais previstos, o primeiro lote da vacina deve chegar ao Estado no final de abril e todos as 1,2 milhão de doses serão entregues até julho.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet