Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Segunda-feira 2 de Agosto de 2021

1 6
:
1 4
:
2 6

Últimas Noticias

Notícias / Geral

11 Mai 2021 - 07:50

Em Mato Grosso, etnia Xavante busca autonomia econômica com Projeto Aldeia Sustentável

Redação

 
Com o objetivo de garantir a autonomia econômica, alimentar e cultural na aldeia Belém, a etnia Xavante deu início ao Projeto Aldeia Sustentável A’uwë Uptabi, que significa povo verdadeiro no idioma Xavante. O projeto piloto implantado na comunidade indígena visa retomar as práticas tradicionais de cultivo, o uso de queimadas controladas, a coleta de frutos e sementes e os hábitos alimentares tradicionais. Desenvolvida desde dezembro de 2020 na aldeia Belém, a iniciativa será replicada nas outras 15 aldeias da Terra Indígena Pimentel Barbosa, localizada no leste do Mato Grosso.
 
Três unidades descentralizadas da Fundação Nacional do Índio (Funai) apoiam a iniciativa: as Coordenações Regionais de Cuiabá, Ribeirão Cascalheira e do Xingu, bem como a Coordenação-Geral de Etnodesenvolvimento (CGETNO). A Funai acompanha a elaboração do projeto desde o início, com participação nas visitas e reuniões técnicas. Sob gestão do Instituto Kurâdomôdo de Cultura Sustentável, o projeto também conta com suporte do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), Empresa Mato-Grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e Prefeitura de Canarana (MT).
 
O cacique Paulo César Tsere’urã, da aldeia Belém, reitera o objetivo sustentável do projeto por meio da recuperação de áreas degradadas na Terra Indígena. "Coloco nessa questão do projeto o reflorestamento com frutas nativas e a presença de várias entidades que estão presentes junto com a gente. Precisamos de apoio de entidades que estejam vendo a nossa necessidade de favorecer a nossa natureza, que está desaparecendo. E para ver a nossa realidade que estamos lutando pelo que nós já perdemos e que dependiam os nossos ancestrais", pontua o cacique.
 
"Esse projeto foi provocado pelo próprio cacique para que eles pudessem usar melhor as terras abertas [para cultivo] sem precisar fazer abertura de novas terras e, ao mesmo tempo, para que eles pudessem ter a sustentabilidade alimentar e nutricional para a comunidade indígena. É um projeto que foi desenhado com muitas mãos e com total apoio da Funai. Já estamos no quarto mês com a produção de agrofloresta, agricultura e, o mais interessante, a oportunidade de termos o inventário do carbono por queimadas evitadas", relata a diretora do Instituto Kurâdomôdo, Cleide Regina de Arruda.
 
O coordenador regional da Funai em Ribeirão Cascalheira (MT), Jussielson Gonçalves Silva, destaca a importância da parceria entre a fundação e o Instituto Kurâdomôdo. “Por meio desse projeto a comunidade indígena vai em busca de sua autossuficiência para que possa viver plenamente. Fico feliz de estar à frente da Funai aqui em Ribeirão Cascalheira participando de sua elaboração e implementação. Para mim é uma gratidão fenomenal. Esperamos que a gente possa fazer outros projetos semelhantes para outras aldeias”, afirma Gonçalves.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet