Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 21 de Janeiro de 2022

2 3
:
0 8
:
0 0

Últimas Noticias

Notícias / Política

28 Mai 2021 - 13:40

Governo cita liberação do CNJ e pede indeferimento de liminar que tenta suspender compra de jato

Arthur Santos da Silva

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
O Governo do Estado de Mato Grosso requereu indeferimento de liminar em ação proposta pelo deputado estadual Lúdio Cabral,  que visa barrar contrato do governo que prevê compra de jato por R$ 8,5 milhões. Manifestação, do dia 28 de maio, cita decisão recente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), responsável por dar validade a protocolo de intenções.O CNJ revogou ordem de suspensão de repasses de valores e revigorou Protocolo de Intenções firmado entre o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) e Governo Estadual para compra de jatinho. Decisão foi estabelecida pela conselheira Maria Thereza de Assis Moura, no fim da tarde de sábado (22).
 
Em abril, ao determinar a suspensão do protocolo que previa transferência de valores, a conselheira citou decisão do ministro Alexandre de Morais, do Supremo Tribunal Federal (STF). Conforme Moraes, não cabe ao Judiciário condicionar a entrega e destinação de valores decorrentes de condenações, colaborações ou outros acordos.

Após a decisão inicial, o TJMT prestou informações argumentando que não houve condicionamento ao uso do recurso. A Juíza de Direito da 7ª Vara Criminal de Cuiabá também prestou informações relatando que os valores depositados judicialmente foram destinados antes da decisão da Corregedoria Nacional.

Ao reexaminar a decisão inicial, Maria Thereza argumentou que informações enviadas ao CNJ evidenciaram que a aquisição da aeronave e o Protocolo de Intenções são anteriores à decisão do STF e à suspensão do repasse. Ainda segundo a ministra, a destinação foi proposta pelos demais poderes do Estado e o recurso foi empenhado em rubrica disponível no orçamento.

Segundo o Governo de Mato Grosso, além da reconsideração do CNJ, autorizando repasses, o próprio Judiciário em Mato Grosso explicou que não há que se falar em ilegalidade. “Subverteria a própria lógica hierárquica do Judiciário se qualquer magistrado pudesse anular a decisão da Presidência do TJMT”, diz trecho da manifestação.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet