Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 22 de Janeiro de 2022

0 0
:
0 3
:
5 9

Últimas Noticias

Notícias / Política

31 Mai 2021 - 10:20

Justiça mantém bloqueio de área de ex-secretário de MT

MPE apontou prejuízos aos cofres públicos em contrato de operação de balsa em Colniza

WELINGTON SABINO

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
Réu numa ação por improbidade na qual foi decretado bloqueio de bens no valor de R$ 572,4 mil, o ex-secretário estadual der Infraestrutura, Cinésio Nunes de Oliveira, pediu a reconsideração da decisão para revogar a medida constritiva ou então que seja reduzido o valor bloqueado, pois segundo ele, há excesso nos valores indisponibilizados. A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular, num primeiro momento negou o pedido afirmando não ser possível avaliar a existência de excesso de garantia por estimativa.

A magistrada determinou a intimação do ex-secretário para que junte aos autos, no prazo de 15 dias, a última declaração de bens como Imposto de Renda ou declaração do Tmposto Sobre Propriedade Rural (ITR), onde conste o valor declarado ao fisco dos bens indisponibilizados. No caso em questão foram bloqueadas duas áreas rurais e um imóvel residencial, sendo que referente a matrícula 36.151, o imóvel rural está em condomínio, pertencendo ao Cinésio Nunes apenas 25% da área.

Vidotti explicou que para verificar a existência de excesso de garantia, é necessário que os bens indisponibilizados sejam avaliados, não sendo possível considerar os laudos de avaliação trazidos pelo réu, por se tratar de documento produzido de forma unilateral. “No caso, a avaliação judicial pode ser substituída pelo valor venal do imóvel declarado para fins de apuração de imposto  (IPTU ou ITR) ou na declaração anual de bens à Receita Federal”, observou.

Apesar dos argumentos do ex-secretário, que afirmou haver excesso de garantia, a juíza Célia Vidotti ponderou que a indisponibilidade de bens tem a finalidade de resguardar a efetividade da sentença que vier a ser proferida, no caso de ressarcimento do dano e da penalidade pecuniária de multa, sendo que a solidariedade se verifica somente em relação ao ressarcimento. 

Thank you for watching

O Ministério Público manifestou pelo indeferimento do pedido de revogação da indisponibilidade de bens, mas não emitiu parecer acerca da solicitação para reduzir a indisponbilidade por causa de suposto excesso.

O CASO

O processo por improbidade foi protocolado em 21 de maio de 2019 e, seis dias depois, recebeu decisão liminar da própria Célia Vidoti, determinando o bloqueio das contas dos denunciados: Cinésio de Oliveira, a Construtora Engenharia Ltda EPP e o ex-servidor  público, Silvio Roberto Martinelli.

Eles foram denunciados como responsáveis por um prejuízo aos cofres públicos no valor de R$ 572,4 mil envolvendo a execução de um contrato para  operação e manutenção de uma balsa fluvial para transporte de veículos e pessoas no município de Colniza (1.065 km de Cuiabá). O valor total do contrato foi de R$ 997,1 mil. Em agosto de 2020 a juíza Célia Vidotti rejeitou as defesas preliminares, negou pedidos para extinção do processo e desbloquear bens e recebeu a denúncia do Ministério Público.

Consta na peça acusatória que o contrato emergencial nº 221/2014 foi firmado em 30 de junho de 2014, na gestão do então governador Silval Barbosa, após processo de dispensa de licitação pela Secretaria Estadual de Transporte e Pavimentação Urbana (Septu), que era comandada por Cinésio Oliveira.

O objeto foi a contratação, por seis meses, de uma balsa equipada com rebocador compatível e cabo de segurança de aço para ser utilizada na travessia do Rio Canamã, localizado na rodovia estadual MT 418, num trecho entre a BR-174, em Colniza. A  Global Engenharia apresentou a proposta de R$ 997,1 mil e foi contratada.

No entanto, o Ministério Público afirma que a Setpu quitou o contrato antes mesmo da prestação dos serviços em sua totalidade resultando em prejuízo ao erário em valor superir a meio milhão. A execução contratual iniciou em 2 de julho de 2014 e sendo que o maior custo era a operação e manutenção da balsa fluvial, no valor mensal de R$ 123,5 mil. "No entanto, o valor integral foi pago nos meses de julho e agosto de 2014, bem como foi dada quitação completa do contrato em 11/09/2014, ou seja, antes de ter sido integralmente executado", consta nos autos.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet