Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 21 de Janeiro de 2022

2 3
:
3 1
:
4 8

Últimas Noticias

Notícias / Política

31 Mai 2021 - 17:00

Governador diz que plebiscito aprovado por vereadores não tem validade jurídica

Gazeta Digital

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), afirmou que a realização de um plebiscito em Cuiabá para que a população opine sobre qual modal de transporte deve ser implementado na capital, o VLT ou BRT, não terá validade jurídica. A realização da consulta popular em Cuiabá foi aprovado pela Câmara de Vereadores na semana passada por 16 votos a 3. A proposta partiu da base aliada do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), que defende que a população seja ouvida.  

"Segundo me informou a assessoria jurídica do Estado, que é a PGE, isso não tem valor jurídico nenhum. Se quiser fazer um plebiscito no Estado inteiro, isso é uma ação do governo do estado de Mato Grosso. E para ter alguma legalidade teria que ser feito no Estado inteiro. Se a prefeitura conduzir um plebiscito no Estado inteiro, e pagar por isso, pode até ser que tenha algum tipo de valor", disse Mendes nesta segunda-feira (31).  Mauro lembrou que a troca do modal VLT para o BRT foi aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana Vale do Rio Cuiabá. "Eles ficam esperneando, gastando dinheiro público, que não vai produzir nenhum resultado. Isso é jogar dinheiro público na lata do lixo. Só para atrapalhar".  

"Já falei muitas vezes que esse VLT nasceu pela corrupção. Na falsificação de documentos, cresceu na corrupção, e nós enterramos. Então, esse filho da corrupção está sendo alimentado pela Prefeitura de Cuiabá. Por que? Qual interesse nisso? O que está por trás disso?", questionou o chefe do Palácio Paiaguás.  

Mauro Mendes voltou a repetir que o Estado colocou todos os argumentos técnicos que comprovaria que o BRT é mais viável e que custará mais barato que a retomada das obras do VLT. "Custa mais barato para o cidadão, traz facilidades operacionais, flexibilidades para ampliações futuras e vai atender muito bem a um custo menor de implantação e a custo de tarifa".    

"Por que fazer algo mais caro? O Silval todos já sabem por que fez, está escrito e ele mesmo disso. Agora, tem que explicar ao senhor Emanuel Pinheiro e a Prefeitura de Cuiabá porque insiste tanto em manter vivo o filho da corrupção", completa.  

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) vem questionando na Justiça Federal a troca do modal anunciada em dezembro passado por Mauro Mendes. O prefeito insiste que a decisão de troca só teria legitimidade através de um plebiscito.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet