Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Domingo 26 de Setembro de 2021

0 9
:
5 2
:
3 9

Últimas Noticias

Enquete

Como você pretende investir o seu dinheiro nos próximos anos?

Notícias / Política

9 Jun 2021 - 17:20

Justiça cassa “prefeito apresentador” por uso da máquina para promoção eleitoral em MT

Rafael Machado ainda "bombou" orçamento com publicidade institucional em ano anterior a eleição

DIEGO FREDERICI

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
A juíza Cláudia Anffe Nunes da Cunha, da 60ª Zona Eleitoral de Campo Novo do Parecis, determinou, nesta terça-feira (8), a cassação do diploma do prefeito Rafael Machado e do vice, Antonio Cesar Brolio, ambos do PSL. Na mesma decisão, a magistrada absolveu o vereador Marcelo José Burgel (Podemos). 

A decisão ainda deixa prefeito e vice inelegíveis. "Julgar procedente a demanda em relação aos requeridos Rafael Machado e Antonio Cesar Brolio, devidamente qualificados nos autos e, com fundamento nos artigos 22, inciso XIV, da LC n° 64/90, e art. 74 da Lei n° 9.504/97, decretar a inelegibilidade dos investigados pelo prazo de 08 (oito) anos contados da data da eleição, com a consequente cassação dos diplomas de Rafael Machado e Antonio Cesar Brolio", determina.

Rafael Machado e o vice foram denunciados pela Coligação É a Vez do Povo (PSC/MDB/DEM/PSDB/PV), representada pelos advogados Michael Graça e Rodrigo Cyrineu, pelo uso da máquina pública em ações de publicidade e propaganda da prefeitura de Campo Novo do Parecis. Ele foi candidato a reeleição no ano passado e, segudo a denúncia, usou a publicidade institucional para se promover com vistas a disputa a reeleição.

"Aduz que os investigados Rafael Machado e Marcelo Burgel realizaram publicidades institucionais, sem atentar-se ao princípio da impessoalidade e o caráter informativo das propagandas, inclusive as propagandas foram realizadas diretamente pelo investigado Rafael Machado, com a clara intenção de se autopromover", diz relatório da decisão.

Thank you for watching

A denúncia ainda apontou uma "artimanha" do prefeito para poder utilizar um grande volume de recursos públicos na publicidade institucional em ano eleitoral. "Informa que no primeiro semestre de 2019 o investigado Rafael Machado dobrou os gastos com publicidade comparada aos anos anteriores, no intuito de aumentar o limite de gastos em 2020", completa a representação.

A representação traz ainda informação de que o prefeito "adiantou" obras na cidade com único objetivo de potencializar propagandas às vésperas do período eleitoral. Inclusive, mesmo sem o aval da Câmara de Vereadores, começou asfaltamento de avenida que sequer tinha buracos. "Aduziu que o prefeito/investigado Rafael Machado encaminhou à Câmara Municipal de Campo Novo do Parecis/MT a mensagem legislativa n° 031, complementada pelo ofício n° 243/2020-GP, requerendo a aprovação da contribuição de melhoria para realização de obras de pavimentação asfáltica em diversos locais da cidade. No entanto, antes de a casa legislativa manifestar acerca do pleito, o investigado Rafael Machado autorizou o início do trabalho de asfaltamento e recapeamento das principais avenidas e ruas da cidade, inclusive de avenida que não constava no requerimento e que não havia buracos, frisando que tais obras foram iniciadas em pleno período eleitoral".

Na decisão, a magistrada destaca que a publicidade institucional tem deve ter caráter educativo, informativo ou de orientação social e, jamais, promover gestores públicos. Porém, nos documentos apresentados pela coligação adversária, constam vídeos e materiais divulgados no portal e redes sociais da prefeitura de Campo Novo do Parecis que pontecializam o nome de Rafael Machado.

Segundo a magistrada, tais materiais comprometem a "isenção" do pleito eleitoral. "Conforme já dito alhures, o argumento da parte autora em relação a assim denominada “primeira conduta” consiste no fato de que a utilização da imagem do prefeito à época em que os vídeos foram publicados, durante os anos de 2017 a 2020, comprometeram o pleito eleitoral, desiquilibrando a disputa dos demais concorrentes, pelo desvirtuamento das publicidades estatais diante do “intento eleitoreiro”, em especial do investigado Rafael Machado que almejava a reeleição", colocou a juíza.

A juíza ainda chamou a atenção de que alguns vídeos, com notícias sobre o município e ações da prefeitura, eram apresentados justamente pelo prefeito. Para ela, isso tira o caráter informativo, educativo e de orientação social por parte do Poder Executivo. "Portanto, não há como conceber a ideia do chefe do Poder Executivo ser o interlocutor direto entre o Município e o povo, não pelos canais oficiais do ente munícipe", frisou.

Ao citar um evento de entrega de veículos para a Secretaria de Saúde, a magistrada diz que ficou claro o uso de recursos públicos para autopromoção do prefeito. "Como se vê, Rafael Machado é o apresentador da informação oficial do ente munícipe, e a todo momento enaltece a sua gestão, desacompanhado de terceiros, profere mensagem flagrantemente subjetiva que vincula os feitos do Município – no caso, a aquisição da frota de veículos para melhor a qualidade do transporte aos servidores públicos e usuários da Secretaria Municipal de Saúde – à sua imagem", coloca.

Cláudia Anffe Cunha colocou que a postura do prefeito, ao apresentar as ações da gestão no site e nas redes sociais, é de que permaneceu em um "palanque eleitoral" durante seu primeiro mandato. Ela citou que um dos princípios da publicidade institucional é a "impessoalidade", ou seja, não deve promover nenhuma pessoa.

"À luz de todos os elementos expostos, dúvida não há que os vídeos e reportagens veiculados nas páginas oficiais do Município de Campo Novo do Parecis, promoveu a imagem do investigado Rafael Machado, ao se apresentar diretamente, aliás, em muitas ocasiões, de forma exclusiva, vangloriando suas ações, apresentando as conquistas do seu governo, com relação à saúde, com a aquisição de ambulâncias, de aparato para segurança pública, como por exemplo na doação de veículo para a Policia Militar, dentre outras “conquistas”, e ainda anunciou outros ‘grandes projetos’, como o de asfaltamento no Bairro Jardim das Palmeiras como se estivesse em

plena campanha eleitoral", pontuou.

"Nota-se que a propaganda institucional serviu de instrumento para que o administrador público Rafael Machado promovesse seu próprio nome nas eleições de 2020. Assim agindo, o investigado desrespeitou aos ditames da impessoalidade e da moralidade com finalidade eleitoreira, e violou não somente a probidade administrativa, mas também a lisura do pleito municipal daquele ano, atingindo a isonomia entre os candidatos", completou a magistrada.

Em relação ao vice-prefeito, a juíza colocou que ele foi beneficiado pelas atitudes ilegais de Rafael Machado, apesar de não ter ocupado nenhum cargo na gestão passada. "Com efeito, não obstante ao fato de o requerido Antonio Brolio não ter tido qualquer ingerência sobre os fatos configuradores do abuso de autoridade ora analisado, a imputação da prática atingi-lhe pela própria disposição legal – candidato beneficiado – e, desse modo, impõe-se a aplicação das sanções legais".

Sobre o vereador Marcelo Burgel, a juíza diz que não houve benefício próprio na conduta dele. Sua ação, segundo a magistrada, teria beneficiado apenas o prefeito. "Em suma, se realmente a conduta do requerido Marcelo Burgel se restringiu às gravações dos vídeos que instruem a inicial, o que não foi devidamente demonstrado, não há potencialidade de influir os eleitores ou que tenha favorecido a companha do investigado em detrimento dos demais candidatos a vereadores deste município, de maneira que a improcedência da ação em relação ao requerido Marcelo Burgel é medida imperativa", assinalou.

A decisão é de 1ª instância e o prefeito deve permanecer no cargo até julgamento do recurso junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT).

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet