Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 8 de Dezembro de 2021

0 6
:
4 4
:
1 1

Últimas Noticias

Enquete

Na Sua opinião você é a favor ou contra a realização do carnaval em fevereiro de 2022

Notícias / Judiciário

13 Jul 2021 - 08:02

Justiça Eleitoral arquiva inquérito contra Silval e Maggi por caixa 2

Investigação havia sido aberta com base na delação do próprio Silval Barbosa homologada pela Justiça

Redação

O juiz Jorge Alexandre Martins Ferreira, da 51ª Zona Eleitoral, determinou o arquivamento de um inquérito policial contra os ex-governadores Blairo Maggi e Silval Barbosa por suposto caixa 2 nas eleições de 2010.
 
Na época, Silval venceu as eleições para Governo do Estado e Maggi, para Senado Federal.
 
O inquérito foi aberto com base na delação premiada de Silval e apurava o recebimento de R$ 3 milhões, fora da contabilidade oficial, pelo Grupo J&F, dos empresários Joesley Mendonça Batista e Wesley Mendonça Batista.
 
De acordo com o depoimento do ex-governador, houve um pedido à direção da empresa JBS Friboi de contribuição financeira para a campanha eleitoral daquele ano. Em troca, a JBS Friboi seria favorecida com a redução de impostos estaduais.
 
"Esgotadas as diligências investigatória da alçada da polícia investigativa, a autoridade policial ponderou que as afirmações dos envolvidos versam sobre fatos descritos de uma forma genérica e superficial".

Na decisão, o magistrado informou que a Polícia Federal considerou as declarações de Silval “genéricas” e “superficiais”, já que ele “não soube detalhar de que forma teria sido realizada uma possível doação não oficial para sua campanha eleitoral em 2010, bem como não deixou claro se estas foram efetivamente concretizadas”.
 
O Ministério Público Eleitoral também se manifestou a favor do arquivamento do inquérito ante a falta de provas.
 
“Esgotadas as diligências investigatória da alçada da polícia investigativa, a autoridade policial ponderou que as afirmações dos envolvidos versam sobre fatos descritos de uma forma genérica e superficial, não informando dados consistentes e elementos probatórios mínimos sobre a prática do delito, nenhuma indicação de linha investigatória se vislumbra profícua nesse momento”, diz trecho decisão.
 
“Assim, por consequência lógica, afigura-se inviável o prosseguimento da investigação criminal iniciada por representação genérica”, acrescenta o documento.
 
“Pelo exposto, frente a ausência de materialidade delitiva, acolho a pretensão formulada e homologo a promoção de arquivamento dos autos do inquérito, sem prejuízo do disposto no art. 18 do Código de Processo Penal”, decidiu.
 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet