Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Domingo 5 de Dezembro de 2021

2 0
:
1 8
:
0 1

Últimas Noticias

Enquete

Na Sua opinião você é a favor ou contra a realização do carnaval em fevereiro de 2022

Notícias / Cidades

20 Out 2021 - 10:37

Valor de "prêmio saúde" ilegal era definido por meio de bilhetinhos

Elizeth Araújo revelou que secretária-adjunta de Governo encaminhava nomes definidos por Emanuel e Márcia Pinheiro

Agência da Notícia com Redação

Agência da Notícia com Reprodução

Segundo Elizeth, por intermédio da secretária-adjunta de Governo, Ivone de Souza, braço-direto da primeira-dama, eram entregues “bilhetinhos” definindo o valor que o servidor indicado teria direito (Crédito: Agência da Notícia com Reprodução)

Segundo Elizeth, por intermédio da secretária-adjunta de Governo, Ivone de Souza, braço-direto da primeira-dama, eram entregues “bilhetinhos” definindo o valor que o servidor indicado teria direito

O valor do "prêmio saúde", também chamado de "mensalinho", concedido ilegalmente a servidores da Secretaria de Saúde de Cuiabá, era estipulado por meio de “bilhetinhos” feitos a mando da primeira–dama Márcia Pinheiro e do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB).

 

A informação consta na decisão do desembargador Luiz Ferreira da Silva, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que culminou no afastamento de Emanuel do cargo, nesta terça-feira (19). 

 

Segundo as investigações, Emanuel fez mais de 3.500 contratações temporárias só na secretaria, a grande maioria ilegais, com pagamentos de "prêmio saúde”, que variavam entre R$ 70 e R$ 5,8 mil, para acomodar e atender compromissos de aliados políticos, principalmente vereadores.

 

Os prejuízos causados aos cofres público, segundo a denúncia, é de R$ 16 milhões.

As investigações do MPE e da Polícia Civil, por meio da Operação Capistrum, indicou a existência de uma suposta organização criminosa montada para acomodar indicações de políticos em cargos da Secretaria da Saúde, com a finalidade de manter ou pagar por apoios.

Conforme a denúncia, a ex-secretária de Saúde de Cuiabá Elizeth Lúcia de Araújo revelou, em depoimento ao MPE, que o valor do “prêmio saúde” era pago “sem parametrização alguma quanto ao valor e aos cargos que deveriam fazer jus ao referido benefício”, conforme indicação do prefeito e da primeira-dama.

Segundo Elizeth, por intermédio da secretária-adjunta de Governo, Ivone de Souza, braço-direto da primeira-dama, eram entregues “bilhetinhos” definindo o valor que o servidor indicado teria direito (veja abaixo).

“Eram determinados livremente pelo prefeito de Cuiabá e pela primeira-dama, que mandavam, por intermédio de Ivone de Souza, bilhetinhos definindo o valor que o indicado tinha que receber de ‘Prêmio Saúde’, conforme se constata destes excertos do depoimento Elizeth Lúcia de Araújo”, disse o desembargador em determinação. 

A reportagem teve acesso a um destes bilhetes. Nele constam o nome de dez servidores. Para nove deles, há a determinação de pagamento de R$ 800 de mensalinho. Uma servidora teve direito a R$ 1,5 mil. 


Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet