Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 28 de Maio de 2022

2 3
:
3 4
:
1 3

Últimas Noticias

Enquete

Eleições 2022: Quantos deputados Estaduais e Federais o Araguaia deve eleger? Deixe seu comentário!

Notícias / Agronegócio

17 Jan 2022 - 11:34

Brasil abre caminho para tecnologia herbicida com edição genética CRISPR

Startup acaba de concluir uma rodada captação de investimento de US$ 4 milhões

Redação Agência da Notícia com AGROLINK

reprodução

Foto: (Crédito: reprodução)

Foto:

A CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança) deu 'luz verde' no Brasil a uma tecnologia de controle de plantas daninhas através da edição genética, segundo informação publicada originalmente no portal especializado AgroPages. O órgão regulador brasileiro concluiu que a solução CRISPR da Bioheuris não produz plantas consideradas OGMs (Organismos Geneticamente Modificados).

As ervas daninhas sempre foram uma grande preocupação para a agricultura. Embora os agricultores de todo o mundo estejam gastando mais de US$ 23 bilhões em herbicidas para controlá-los anualmente, novas ervas daninhas resistentes estão se espalhando mais rápido do que nunca. O problema é em parte devido ao uso repetido de um número limitado de herbicidas.

A startup de biotecnologia argentina BioHeuris espera resolver esse problema trazendo aos agricultores uma próxima geração de culturas resistentes a herbicidas usando biologia sintética e edição de genes CRISPR.

“São mais de 300 herbicidas registrados. Alguns mais ‘verdes’ controlam ervas daninhas, mas também danificam as plantações”, disse o CEO Lucas Lieber. “Com nossa tecnologia, os agricultores podem começar a usar uma paleta mais diversificada de herbicidas que são mais seguros para o meio ambiente, retardando a resistência de ervas daninhas”, explica.

A empresa acaba de concluir uma rodada captação de investimento de US$ 4 milhões através de parceiros estratégicos e investidores que começaram em 2016. O objetivo é desenvolver traços resistentes a herbicidas não transgênicos em soja, arroz, algodão, alfafa e sorgo.

Usando ensaios de evolução de proteínas de alto rendimento em microorganismos, o BioHeuris é capaz de imitar no laboratório em semanas o que levaria centenas de hectares e anos de testes de campo para realizar. Com esta plataforma miniaturizada de última geração, milhares de variações de genes de plantas podem ser descobertas e classificadas pelo nível de tolerância a herbicidas que elas fornecem.
 
Para introduzir essas características nas culturas, eles estão usando uma tecnologia proprietária de edição de genes baseada em CRISPR que não gera plantas OGM.

Em 2021, Aphis e CTNBio, as agências reguladoras dos EUA e do Brasil, concluíram que os produtos desenvolvidos com a abordagem BioHeuris não serão considerados OGMs. O mesmo aval foi dado anteriormente pela CONABIA, agência equivalente da Argentina. Em 2015, este país foi o primeiro a adotar um regulamento específico para cultivos editados pelo genoma. Alguns meses depois, o BioHeuris foi criado.

“Um dos elementos-chave é que implementamos estratégias no projeto experimental de pré-edição e triagem de pós-edição para garantir que nenhum DNA exógeno não intencional permaneça no produto final”, disse Lieber.

A sede da BioHeuris, tanto as instalações da fábrica quanto os laboratórios, estão localizadas no parque científico de Rosario, Argentina, onde a maior parte do trabalho é realizada. Eles também estão ampliando as operações em seu laboratório nos EUA localizado no Helix Center em Saint Louis, Missouri.

“Com nossas plataformas totalmente operacionais, o tempo de colocação no mercado será reduzido pela metade e os custos de desenvolvimento reduzidos 100 vezes em comparação com as atuais culturas de OGM desenvolvidas pelas grandes empresas de sementes. Isso não apenas torna o BioHeuris realmente atraente para nossos parceiros, mas também significa que poderemos reduzir os custos de insumos para os agricultores”, acrescentou o cofundador e diretor de estratégia Carlos Perez. “Estamos construindo uma usina de edição de genes para otimizar variedades comerciais de qualquer empresa em 15 meses com nossas características de controle de plantas daninhas”.

A BioHeuris está em parceria com empresas independentes de sementes e produtos químicos que coinvestem em pesquisa e desenvolvimento com um modelo de negócios que inclui amplo licenciamento das características das sementes. Espera-se que as características emblemáticas da startup cheguem aos campos dos agricultores em 2026.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet