Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 24 de Setembro de 2021

1 1
:
5 9
:
2 2

Últimas Noticias

Enquete

Como você pretende investir o seu dinheiro nos próximos anos?

Notícias / Política

12 Abr 2014 - 13:00

Silval nega constrangimento em dividir palanque com Julier

Ex-juiz já foi alvo de representação no CNJ por parte do governador

Mídia News

 O governador Silval Barbosa (PMDB) negou qualquer constrangimento em dividir o palanque com o ex-juiz federal Julier Sebastião da Silva, recém-filiado ao PMDB.

O ex-magistrado tem como objetivo concorrer ao Governo de Mato Grosso, com apoio do governador, e já deu entrevistas declarando fidelidade à atual administração.

Em 2010, diversos políticos que hoje são aliados de Julier – entre eles, o próprio Silval – entraram com representação contra o então magistrado no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Na ocasião, Julier foi acusado de se autopromover politicamente com as prisões que ele determinou, no contexto da Operação Jurupari, que investigava crimes na área ambiental do Estado.
“Não podemos tratar um candidato com base na época em que ele era juiz. Temos que discutir com ele como um líder político, agora. Ele vem sem toga, como um cidadão que quer participar do processo político”, disse Silval.

“O que tem a ver um julgamento dele com 3,2 milhões de pessoas? Se ele mandou prender alguém, tem a ver com essa pessoa, e não com o povo de Mato Grosso. Isso não tem nada a ver no contexto politico. Ele estava fazendo o papel dele de juiz. Agora, ele tem que fazer o papel de líder político que ele quer ser”, completou o govenador.

Escolha do candidato

Silval disse, ainda, que Julier entra no PMDB em pé de igualdade com os outros pré-candidatos da base governista.

Atualmente, além dele, o grupo discute a possibilidade de lançar o vice-governador Chico Daltro (PSD) e o ex-vereador Lúdio Cabral (PT) na corrida pelo Governo.

“Julier estará inserido da discussão sobre quem é o melhor. E quem se destacar mais na pesquisa será nosso candidato”, disse.

Em entrevista recente, Julier também negou qualquer desconforto com a adesão ao PMDB e ao grupo político que representou contra ele no CNJ.

“Me sinto confortável porque estou no terreno que escolhi para exercer a minha cidadania na arena política. A democracia funciona assim. Já recebei representações, mas também dei decisões. O PMDB foi uma resistência à ditadura militar, e tem a grandeza de estar se renovando há 40 anos”, afirmou.

 
Sitevip Internet