Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 28 de Setembro de 2021

1 1
:
0 5
:
4 6

Últimas Noticias

Enquete

Como você pretende investir o seu dinheiro nos próximos anos?

Notícias / Agronegócio

25 Abr 2014 - 11:53

Setores produtivos aguardam laudo sobre mal da vaca louca em Mato Grosso

Em nota a Famato declara que irá ficar atenta as investigações e que aguarda o laudo conclusivo do exame de sanidade animal

Olhar Direto

 O suposto caso de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), mais conhecido como mal da vaca louca, em Mato Grosso no momento não é para alardes na opinião de entidades ligadas ao setor produtivo, visto ainda não ter sido confirmado. Nesta semana o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou a investigação de um caso em Porto Espiridião, há cerca de 30 quilômetros da fronteira com a Bolívia, em um animal levado ao abate com cerca de 12 anos.

Na quinta-feira (24), à tarde, a superintendência do Ministério Agricultura, Pecuária e Abastecimento em Mato Grosso e o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) comunicaram, durante reunião, oficialmente a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) sobre as investigações do caso isolado do mal da vaca louca. A reunião contou ainda com a presença de representantes do Fundo Emergencial de Saúde Animal do Estado de Mato Grosso (Fesa).

Em nota a Famato declara que irá ficar atenta as investigações e que aguarda o laudo conclusivo do exame de sanidade animal. "A entidade reforça que o momento é de investigação e, por conta disso, especulações sobre um fato que ainda não foi comprovado são desnecessárias. Acreditamos na transparência dos órgãos oficiais e vamos continuar acompanhando o caso. A previsão é de que o laudo oficial seja divulgado pelo Mapa dia 30 de abril", declarou a Famato em nota.

A suspeita do mal da vaca louca em Mato Grosso surge quase um ano e meio após a divulgação do caso atípico registrado no Paraná. No Paraná o caso ocorreu em 2010, porém somente em 2012 foi divulgado. Devido ao caso, na época 16 países chegaram a embargar a carne bovina brasileira.

Em nota divulgada na quinta-feira (24) o Mapa declarou que o animal foi enviado para o abate no dia 19 de março deste ano por problemas reprodutivos causados pelo avanço da idade, porém "sem sintomas de distúrbios neurológicos". A nota revela que "durante a inspeção ante mortem, o fiscal federal agropecuário responsável pela fiscalização no frigorífico observou que havia um animal caído, ou seja, em “decúbito forçado”. Com esse quadro, o animal não foi considerado apto ao abate de rotina, sendo direcionado ao abate de emergência e submetido à colheita de amostras para o teste de EEB".

O Mapa frisa ainda que "Os produtos derivados desse bovino não ingressaram na cadeia de alimentação humana ou animal e o material de risco foi incinerado. Por precaução, todos os animais contemporâneos ao caso provável foram identificados individualmente e interditados".

De acordo com o Ministério, exames laboratoriais feitos em laboratório agropecuário nacional detectou a "marcação priônica". "Conforme os protocolos brasileiros, foram deflagradas atividades imediatas no sentido de realizar investigação epidemiológica a campo e providências para o envio da amostra ao laboratório de referência internacional da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em Weybridge, na Inglaterra, para confirmação da suspeita", diz a nota do Mapa.

 
Sitevip Internet