Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 19 de Janeiro de 2021

0 9
:
0 6
:
5 1

Últimas Noticias

Notícias / Artigos e Opinão

23 Jun 2015 - 16:50

Menor infrator, crimes, etc

Agência da Noticia com Redação

 O menor infrator é negro, do sexo masculino, tem de 16 a 18 anos, não frequenta escola e vive na miséria. Esse é o perfil traçado pelo Ipea. Mais: 95% são do sexo masculino; 66% vivem em famílias extremamente pobres; 60% são negros; 60% têm de 16 a 18 anos; 51% não frequentavam escola na época do delito.

As principais infrações cometidas pelos menores são roubo e tráfico de drogas. Menos de 10% cometem homicídios ou latrocínio, que é o roubo seguido de morte: 40% deles respondem por roubo; 23,5% por tráfico de drogas; 8,75% por homicídio; 5,6% por ameaça de morte; 3% por tentativa de homicídio; 3,4% por furto; 2,3% por porte de arma de fogo; 1,9%, latrocínio; 1,1%, estupro; 0,9%, lesão corporal; 0,1%, seqüestro.

Na semana que passou um crime latrocínio em Sinop, revelou cinco assassinos. Há alguns meses outro crime matou o jovem Eric, filho do jornalista Leonildo Severo. Dois entre centenas na região norte e na área da capital. Em Rondonópolis, em Primavera do Leste, em Campo Verde, em Cáceres o cenário não é muito diferente. A realidade se enquadra dentro do perfil traçado pelo Ipea. A maioria dos atuais assassinos ou assaltantes estão na faixa dos 30 anos pra baixo. Até recentemente eram menores. A realidade revelam que eles cresceram no crime ou muito próximo dele, tendo-o como inspiração de sucesso na vida.

Lá no bairro, faltou escola onde mora essa minoria de jovens que se tornam infratores ainda menores ou logo após a maioridade. Aliás, o Ipea diz isso: "51% não frequentavam escola na época do delito". A escola pública distanciou-se da realidade social do país porque ela se politizou e virou célula política da esquerda com teorias malucas. Produz derrotados!. A escola pública virou escola de pobres. Pobre ninguém escuta!

Então, criticar a criminalidade depois de registrada, é chover no molhado. Certo seria a prevenção com políticas públicas planejadas pra evitar mortes, ferimentos, desemprego, contravenção, prisão, cadeia, presídio. É muito mais barato. Uma pessoa internada custa muito caro e um monte delas custa caríssimo. Cadeias custam caro, polícia custa caro, presídios custam caro. A educação custa muito barato.

Porém, os setores de política social públicas empenham-se em quermesses, desfiles de moda e outros desvios que geram mídia por dirigentes, e deixam de planejar políticas sociais. O problema da criminalidade não está nas ruas. Está nos gabinetes públicos que não planejam a construção de cidadania digna em áreas pobres.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@terra.com.br www.onofreribeiro.com.br
Onofre Ribeiro

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet