Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 19 de Janeiro de 2021

0 9
:
1 1
:
2 8

Últimas Noticias

Notícias / Artigos e Opinão

26 Jun 2015 - 16:55

Prisão não educa

Agência da Noticia com Redação

 Realmente não consigo compreender a paranoia do Estado brasileiro em vangloriar-se da estatística dos encarcerados nas prisões. É a mesma paranoia do governo federal em comemorar o número de pessoas que entraram no bolsa-família em vez de comemorar as saídas. Também não compreendo que essas estatísticas nacionais e estaduais dos encarcerados divulgadas ontem, não digam nada aos gestores públicos do país e de Mato Grosso.

Dados do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias mostram que em Mato Grosso existiam 7.248 detentos em 2006. Em maio de 2014 eram 10.357, 43% mais. Mato Grosso ocupa o 10º. lugar entre os estados em número de detentos. Obviamente os dados não cruzam com matrículas e nem com evasão escolar. O resultado seria muito didático. Porém, continuo não compreendendo. Na gestão Blairo Maggi, recordo-me do chefe da Casa Civil, coronel Novacki, orgulhando-se das polícias terem duplicado o número de presos no estado. É eficiência, mas é uma triste eficiência, porque o ideal era prender menos pessoas.

A falta de projetos do governo de Mato Grosso sobre a educação como fator de inclusão social redutor da criminalidade é uma coisa cristalina. Mas não se compreende como os setores da educação, da segurança e o penitenciário não conversam entre si. Nem traçam políticas capazes de dar garantias à sociedade e aos cidadãos. Essa garantia não é só o não ser roubado. É dar ao ladrão, opções desde cedo para ele não precisar roubar lá na frente. Tempos atrás conversei com a lúcida Coronel Zózima do projeto Rede Cidadã, da Polícia Militar, sobre a prevenção lá no bairro. A escola lida com um aluno hiperativo do século 21 com métodos do século 19. A Unesco em Cuiabá tem levantamentos mostrando que alunos com capacidade de liderança são excluídos pelas escolas porque tem atitudes diferentes da norma comando e controle vigente.

O uso de bonés, de tatuagens, de piercings e roupas ousadas causam discriminação escolar e os alunos são estigmatizados até saírem da escola ou serem expulsos. O fato é que a educação ainda é a atitude mais barata que manter um judiciário lotado de processos criminais, hospitais com custos altíssimos por acidentes de veículos e por violências, prisões caríssimas, polícias cada vez mais caras.

A pergunta indecente que merece uma resposta decente é: por que a educação não é planejada como o ponto de equilíbrio da sociedade pra evitar as estatísticas carcerárias, policiais, hospitalares, acidentes de trânsito?

A resposta não parece difícil. O status quo beneficia alguém. A quem?

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@terra.com.br www.onofreribeiro.com.br
Onofre Ribeiro

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet