Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Domingo 24 de Janeiro de 2021

1 6
:
1 1
:
4 8

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Artigos e Opinão

30 Jun 2015 - 16:05

Sexualidade, eis a questão

Agência da Noticia com Onofre Ribeiro

  Shakespeare já se angustiava no final do século 16 e começo do século 17 na Tragédia de Hamlet: "ser ou não ser, eis a questão". O tema da sexualidade nos dias atuais cabe direitinho na angústia antiga de Shakespeare. Neste momento as discussões estão crescendo a respeito do tema, na medida em que a exposição pessoal avança através da internet e da própria mídia comercial. As telenovelas vem há bastante tempo tangenciando o tema e deixando indagações e curiosidade a respeito.

Rural até os anos 1970 e severamente policiada pelas religiões, a sociedade brasileira teve muita dificuldades para enfrentar temas polêmicos no mesmo nível de intensidade que hoje se discute a sexualidade. O divórcio foi aprovado no Brasil em julho de 1977 depois de décadas de discussões lideradas pelo senador carioca Nelson Carneiro. As religiões se posicionaram bravamente contra sob a alegação de que o divórcio "destruiria a celula-mater da sociedade, que é a família". Não destruiu. Mudou profundamente as monolíticas relações conjugais.

A importância que a sociedade atual dá ao divórcio está na exata dimensão do seu papel jurídico de permitir a separação de pessoas casadas no civil. Não se questiona mais aquela angústia dos anos 1970 de "destruição dos valores sociais". Neste momento a sexualidade ganhou o imaginário social no Brasil, assim como no mundo inteiro. Em alguns países europeus o assunto já foi tratado há muitos anos. Nos Estados Unidos, no Japão, na China, no mundo árabe, por exemplo o tema é dúbio, tanto por razões sociais quanto legais e religiosas.

Depois do comercial que o Boticário divulgou para o Dia dos Namorados insinuando casais homoafetivos, pesquisas revelaram que empresas de grande porte no varejo estão tentando associar o tema homoafetividade à sua marca como um sinônimo de modernidade e de não preconceito. As uniões estáveis foram reconhecidas em 2011 pelo Supremo Tribunal Federal.

Desse modo, com a liberdade de expressão ampla, geral e definitiva pelas redes sociais e da internet, é preciso muito cuidado dos setores sociais mais tradicionais ao condenar a tendência de expressão da sexualidade individual aberta que tende a seguir o mesmo caminho que teve a aprovação do divórcio. "Ser ou não ser"... continua atual.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@terra.com.br www.onofreribeiro.com.br
Onofre Ribeiro

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet