Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 18 de Setembro de 2020

1 7
:
1 3
:
3 8

Últimas Noticias

Notícias / Política

8 Mai 2014 - 08:20

Governador decreta intervenção em 2 hospitais regionais

Inadimplência, desvio de finalidade e notificações da Anvisa contribuíram para a medida

Mídia News

 O governador Silval Barbosa (PMDB) decretou intervenção nos hospitais regionais de Colíder e Alta Floresta, no Norte de Mato Grosso.

As duas unidades eram geridas pela Organização Social de Saúde (OSS) Instituto Pernambucano de Assistência e Saúde (Ipas).

A medida tem prazo de 180 dias de duração, a partir da publicação, no Diário Oficial que circulou na terça-feira (6).

Entre os problemas constatados pela Secretaria de Estado de Saúde, estão a inadimplência, por mais de 120 dias, do Ipas junto aos fornecedores e prestadores subcontratados nos hospitais sob sua gestão, incluindo água, luz, materiais hospitalares e corpo clínico.

Também foi constatado débito fiscal junto à Prefeitura de Colíder e à Previdência Social, referente ao ano de 2013.

A pasta também considerou as notificações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) por falta de licenças e alvarás essenciais para funcionamento do hospital, e o desvio de finalidade dos repasses financeiros concedidos pela secretaria.

Os interventores terão a missão de recuperar a regularidade no atendimento e apurar as responsabilidades das irregularidades no gerenciamento dos hospitais

Eles terão que gerir os recursos destinados aos hospitais e terão liberdade para demitir e contratar funcionários.

“O secretário de Estado de Saúde deverá, no prazo de 30 dias, contados da publicação deste decreto, instaurar procedimentos administrativos para apurar as causas determinantes da medida e definir responsabilidades”, diz trecho do decreto.

Se for constatado o descumprimento dos contratos, o Estado terá que desqualificar a entidade como organização social e cobrar o pagamento dos prejuízos.

Hospital Metropolitano

Há cerca de um mês, o Ipas decidiu romper os contratos com o Governo do Estado. Os contratos tinham duração de 5 anos e durariam até abril de 2017.

Além dessas duas unidades, a entidade abandonou também a gestão do Hospital Metropolitano de Várzea Grande.

No caso de Várzea Grande, não foi necessária a intervenção porque, segundo informou a assessoria da Secretaria de Saúde, o contrato do Hospital Metropolitano tinha duração anual.

Por isso, ao expirar, no dia 1º deste mês, o secretário Jorge Lafetá (PMDB) apenas não renovou o contrato e nomeou uma diretora para gerir a unidade.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet