Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 28 de Novembro de 2020

0 3
:
0 2
:
3 4

Últimas Noticias

Notícias / Artigos e Opinão

3 Mar 2016 - 08:32

A voz e a vez do pré-candidato

Ao contrário do último pleito, hoje é plenamente possível defender plataformas políticas; só não pode pedir voto

Agência da Notícia com RODRIGO CYRINEU

 De figura rechaçada para acolhida pelo ordenamento jurídico, o pré-candidato é, hoje, uma realidade deôntica, embora ainda não tenha recebido a aceitação – e a devida atenção – dos tribunais eleitorais.

A propaganda antecipada, também chamada de extemporânea, foi largamente combatida nas eleições anteriores, acarretando saldos negativos decorrentes de aplicação de multas e cassação de candidaturas em casos pontuais, nos quais detectaram-se abusos de poder.

Todavia, as duas últimas reformas introduzidas com as Leis nº.s 12.891/2013 e 13.165/2015 alargaram a possibilidade de manifestação e expressão de pretensos candidatos, ampliando o leque de ressalvas à configuração de propaganda antecipada, atualmente podendo ser reconhecida apenas em casos pontuais.
A ampla liberdade garantida nas redes sociais populariza do debate, propiciando ao eleitor interessado a possibilidade de assumir a condição de sujeito não só passivo, mas ativo e transformador, do processo eleitoral

Ao contrário do que ocorria até o último pleito, hoje é plenamente possível a um pré-candidato defender plataformas políticas, mencionar pretensa candidatura, criticar a administração atual, dentre várias outras manifestações, conquanto que não peça votos de maneira explícita e não se utilize de materiais gráficos dispendiosos, bem como se abstenha de utilizar o poderio econômico para fins de divulgar suas manifestação – o que acarretaria abuso.

Com efeito, o Legislador se atentou à evolução dos meios de comunicação, com especial destaque às redes sociais, as quais não podem ser objeto de censura judicial ou alvo de policiamento.

Mais: possibilitou o debate de ideias não apenas dentro dos muros dos partidos, chamando o eleitor a tomar parte no processo de construção das soluções coletivas.

Essa democratização do debate, em ambiente gratuito e de livre acesso, afasta a preocupação com a desigualdade de oportunidades que resultava da redação anterior, que permitia o debate em meios de comunicação controlados pelo poder econômico e não incluía as mídias gratuitas e a participação do cidadão com a expressão do seu posicionamento pessoal sobre o perfil e as propostas dos que se apresentam como alternativas de candidatura.

Ora, atualmente a população tem voz ativa na condução dos assuntos de interesse coletivo, daí o porquê de não se esperar do cidadão apenas o exercício do voto, mas a sua participação já na etapa de formulação das políticas públicas, o que reclama intenso debate.

Logo, propiciar o debate de ideias e dar estímulo ao engajamento cívico é salutar, inclusive na fase de pré-campanha, conquanto que não se utilize do poder econômico ou político, estes sim capazes de ferir a igualdade de oportunidades.

A ampla liberdade garantida nas redes sociais populariza do debate, propiciando ao eleitor interessado a possibilidade de assumir a condição de sujeito não só passivo, mas ativo e transformador, do processo eleitoral, animando-o, quem sabe, a disputar uma cadeira no Legislativo de sua cidade ou mesmo a cadeira de prefeito municipal.

RODRIGO CYRINEU é advogado e consultor jurídico de campanhas eleitorais em Mato Grosso.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet