Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 3 de Abril de 2020

1 6
:
3 0
:
1 1

Últimas Noticias

Notícias / Política

21 Jun 2014 - 09:26

STF vai decidir sobre condenações de Riva e Bosaipo

Deputado e conselheiro do TCE tiveram recurso aceito pelo STJ sobre pedido de anulação

Mídia News

 O ministro Gilson Dipp, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), admitiu recurso extraordinário interposto pelo conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), Humberto Bosaipo, e pelo deputado estadual José Geraldo Riva (PSD).

Ambos tentam reformar condenação da 4ª Câmara do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, de maio do ano passado, que afastou Riva da presidência da Assembleia Legislativa e manteve Bosaipo afastado do cargo de conselheiro do TCE-MT.

Com a decisão do STJ, que foi publicada nesta sexta-feira (20), o recurso será encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF), que decidirá se anula ou não as condenações impostas a eles.

Riva e Bosaipo, que são acusados dos crimes de improbidade administrativa e desvio de cerca de R$ 2,6 milhões dos cofres públicos, alegam que houve usurpação de competência no julgamento que os condenou.

Segundo eles, como a ação foi ajuizada em 2008, época em que Bosaipo era conselheiro do TCE, cabia ao Superior Tribunal de Justiça julgá-lo, devido à prerrogativa de foro, e não à Vara Especializada de Ação Civil Pública e de Ação Popular de Cuiabá.

Em suas defesas, eles sustentaram que, conforme jurisprudência do STF, a prerrogativa de foro para membros do TCE não abrange apenas os crimes comuns e de responsabilidade, mas “se aplica também às ações de improbidade administrativa”.

No recurso, eles pedem a cassação dos efeitos das decisões tomadas na ação que tramita na primeira instância da Justiça Estadual e das condenações impostas pela 4ª Câmara do TJ-MT.

As acusações

Riva e Bosaipo são acusados pelo Ministério Público do Estado (MPE) de terem participado de um suposto esquema de desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, que consistiria na emissão de cheques da Assembleia Legislativa para empresas fantasmas.

Conforme a denúncia, em 2001 o Poder Legislativo teria emitido 48 cheques à Sereia Publicidade e Eventos Ltda., num montante de R$ 2.650.921,20.

Pelo menos, 26 cheques foram descontados diretamente no caixa, numa agência do Banco do Brasil, e outros 22 na Confiança Factoring, que pertencia ao bicheiro João Arcanjo, que está preso na Penitenciária de Segurança Máxima de Porto Velho (RO).

Os cheques foram descobertos durante a Operação Arca de Noé, deflagrada em dezembro de 2001, pela Polícia Federal.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet