Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Domingo 26 de Junho de 2022

0 4
:
5 5
:
1 3

Últimas Noticias

Notícias / Política

22 Jul 2014 - 14:40

Acusado de comprar voto, Júlio é cassado pelo TRE-MT

O parlamentar era acusado de arrecadação ilícita de recursos de campanha (Caixa 2) e captação ilícita de sufrágio

Agência da Notícia com Mídia News

 O deputado federal Júlio Campos (DEM) teve o mandato cassado, por maioria, pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), na sessão desta terça-feira (22).

Foram quatro votos favoráveis à cassação do democrata e apenas um contrário.

Os juízes Agamenon Alcântara Moreno Júnior e Pedro Francisco da Silva e a desembargadora Maria Helena Póvoas seguiram o entendimento do relator, José Luiz Blaszak, que já havia votado pela cassação de Júlio.

O único que votou pela manutenção do cargo eletivo foi o juiz Samuel Franco Dália Júnior.

O parlamentar era acusado de arrecadação ilícita de recursos de campanha (Caixa 2) e captação ilícita de sufrágio, por supostamente ter comprado votos de eleitores na campanha de 2010, ocasião em que foi eleito com mais de 72 mil votos.

A representação, ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral (MPF), foi adicionada na pauta da sessão plenária do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT).

Segundo o MPE, a compra ocorria por meio de vale-compras e vale-combustíveis, que eram trocados pelos eleitores no Supermercado Bom Gosto, em Várzea grande, e no Posto América, em Cuiabá, respectivamente.

Quanto ao Caixa 2, a acusação é de que os financiamentos para a compra dos votos de Júlio Campos ocorriam por meio das empresas de seu filho, o pré-candidato a deputado estadual Júlio Campos Neto.

Além da cassação, o então juiz e relator da representação, José Luiz Blaszak, votou pela aplicação de multa de 50 mil UFIR (cerca de R$ 53 mil) e a ilegibilidade de Júlio Campos pelos próximos oito anos.

Em relação a este mesmo caso, também tramita uma representação criminal contra o deputado, no Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com Campos, este é o seu último mandato. Em recente entrevista, o democrata não quis falar sobre o processo, mas afirmou “não ter medo” de terminar a carreira política cassado.

“O político que tiver medo de alguma coisa ruim ocorrer, não deve ser político. Político tem que ser corajoso, destemido e pronto para enfrentar qualquer coisa. Já enfrentei eleições, já perdi, já ganhei, já respondi a processo. Se você não tiver postura, é melhor não entrar para a vida pública”, disse.

Outro lado

O advogado José do Patrocínio, que faz a defesa de Júlio Campos, afirmou que a decisão cabe recurso e será levada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“Assim que publicar o acordão, vamos fazer o devido recurso ao TSE para reverter à decisão e manter o voto divergente, não favorável a cassação”, disse ao MidiaNews.

No entendimento do advogado, Júlio deve ser mantido no cargo, que termina em dezembro deste ano.

“Vamos pedir o efeito suspensivo, até porque restam apenas quatro meses para o exercício do cargo”, disse.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet