Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 5 de Dezembro de 2020

2 2
:
1 3
:
5 8

Últimas Noticias

Notícias / Agronegócio

28 Jul 2014 - 13:41

Além de MT, mais três Estados registram estomatite vesicular; São 54 casos já

O Ministério alerta, ainda, que os animais infectados podem transmitir para os outros animais a doença.

Agência da Notícia com Agro Olhar

 Além de Mato Grosso, a Bahia, o Piauí e o Maranhão, também, registram casos de estomatite vesicular (EV). Entre os quatro Estados já são 54 casos em 2014 registrados. O anuncio é o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em nota em seu site. Os sinais clínicos são semelhantes ao da febre aftosa, podendo facilmente ser confundidos.

De acordo com o Mapa, a doença é viral e de cura espontânea. Ela afeta bovinos, equídeos, bubalinos, pequenos ruminantes e suínos. Entre os sintomas que se assemelham a febre aftosa estão lesões na boca; narinas, no focinho, nas patas e úberes; salivação abundante e dificuldade na locomoção.

O primeiro caso de estomatite vesicular no Brasil foi registrado em 1694 em Alagoas. Entre 2005 e 2013, revela o Ministério, 169 focos da doença foram notificados entre Mato Grosso, Bahia, Ceará, Goiás, Pernambuco, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins. Em 2011 foram 16 focos registrados, um apenas em 2012 e em 2013 foram 55 casos.

Em Mato Grosso a confirmação da doença foi informada pelo Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) no último dia 21 de julho. A doença foi localizada em Castanheira. As investigações ainda são realizadas. Ao todo 139 propriedades são investigadas no Estado, das quais 49 foram interditadas para análises laboratoriais.

Em Mato Grosso, declarou o Indea-MT quando do anúncio da presença da estomatite vesicular no Estado, a doença foi descoberta no dia 20 de junho quando o serviço veterinário em uma propriedade de Castanheira realizava procedimentos padrões de vigilância em animais vindos de outros Estados percebeu que um deles apresentava sinais clínicos compatíveis a síndrome vesicular.

Três casos foram verificados, sendo dois em equinos e um em muar na ocasião. "Em virtude do avançado da hora, os médicos veterinários optaram por fazer os devidos preparativos e retornar à propriedade no dia seguinte, quando realizou-se a inspeção clínica em todos os susceptíveis existentes, ocasião em que encontrou-se um bovino com lesões similares àquelas detectada no muar.Os animais inspecionados somaram 61 cabeças sendo 58 bovinos, dois equinos e um muar", revelava o informe epidemiológico emitido pelo Indea-MT no dia 21 de julho.

Cuidados

Conforme o Mapa, diante de uma suspeita de estomatite vesicular o proprietário do animal deve contatar o serviço veterinário para que um diagnóstico rápido e preciso seja realizado para que devidas medidas sejam tomadas para evitar a proliferação da doença, que trata-se de vírus. Entre as medidas já realizadas em Mato Grosso foram à interdição de 49 propriedades e o isolamento dos animais.

Segundo o Mapa, acredita-se que o vírus da estomatite vesicular seja transmitido por insetos vetores hematófagos, ou seja, insetos que sugam o sangue.

O Ministério alerta, ainda, que os animais infectados podem transmitir para os outros animais a doença. "Os infectados eliminam vírus por meio de secreções e excreções, como a saliva e líquido das vesículas (bolhas), que contaminam os animais suscetíveis ao ter contato com a pele e mucosas que apresentem lesões. O cocho, utensílios e as pessoas que lidam com os animais podem se tornar veículos de transmissão do agente da doença", salienta o Mapa.

O Ministério salienta ainda em nota que em 2012 Comissão do Código de Animais Terrestres da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) propôs a retirada da EV da lista de doenças, por esta não provocar morbidade ou mortabilidade significativa. Somente em 2014 a retirada da EV da lista das doenças animais da OIE foi aprovada.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet