Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 19 de Setembro de 2020

0 2
:
3 7
:
0 7

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Judiciário

20 Dez 2019 - 10:04

Justiça Federal condena 8 pessoas por contrabando, adulteração e venda ilegal de agrotóxicos em MT

Justiça Federal condena 8 pessoas por contrabando, adulteração e venda ilegal de agrotóxicos em MT

G1-MT

A Justiça Federal em Sinop, a 503 km de Cuiabá, condenou oito pessoas pelos crimes de importação, venda ilícita e adulteração de agrotóxicos no estado. Os suspeitos também devem responder por organização criminosa, lavagem de dinheiro e posse ilegal de arma de fogo.

A condenação é resultado da Operação 'Terra Envenenada', realizada em junho do ano passado, e desencadeada por meio dos procedimentos realizados pelo Ministério Público Federal. A assinatura de um acordo de colaboração premiada firmado entre MPF e um dos investigados deu a sustentação para a punição dos demais.

A denúncia também teve como base o acompanhamento da organização criminosa que importava, manipulava e vendia agrotóxicos proibidos em todo o país. As provas colhidas no curso da investigação, como ligações telefônicas e às conversas de aplicativo de celular, além de diligências em campo e documentos demonstraram que os denunciados tinham domínio de todo o esquema criminoso.

O grupo planejava a importação, o transporte e o fornecimento de rótulos falsos. Esquematizava a lavagem de dinheiro, a comercialização e o depósito dos agrotóxicos proibidos.

De acordo com o MPF, os acusados compravam os produtos no Paraguai, sendo alguns de origem chinesa, sem registro no Brasil, e faziam o transporte do material até o norte do estado, por meio de estradas vicinais. Para isso, contavam com a conivência de agentes públicos.

Quando o produto chegava ao destino, eles aumentavam o volume e misturavam com agrotóxicos permitidos ou inseticidas de preço baixo. Em seguida, o material adulterado era revendido por valores altíssimos para outros intermediários e para outros agricultores da região.

Os pagamentos eram garantidos por meio de ameaças e coações. Com o dinheiro que ganhavam, os suspeitos mantinham um padrão de vida incompatível com os ganhos declarados à receita.

Eles também atuavam em outros ramos econômicos, como garagens de venda de veículos e fazendas para mascarar o dinheiro.

A denúncia apontou ainda que os suspeitos utilizavam contas e cheques de 'laranjas', assim como de agiotas para lavar o dinheiro. Eles simulavam compravam de imóveis para gerar a aparência de ganho patrimonial.

Outra forma de ocultação patrimonial era esconder os lucros com a atividade ilícita em contas bancárias ou em nome de parentes e terceiros, visando dificultar a fiscalização sobre as rendas não declaradas.

A Justiça Federal também decretou a perda de todos os bens condenados adquiridos posteriormente ao início da comercialização ilícita de agrotóxicos.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet