Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 19 de Setembro de 2020

0 1
:
5 3
:
3 4

Últimas Noticias

Notícias / Judiciário

27 Dez 2019 - 14:16

“Não fui citado porque nada fiz de errado, a menos que inventem”

Célia Vidotti questionou o Ministério Público Estadual sobre ausência de Taques em ação judicial

Mídia News

Mídia News

 (Crédito: Mídia News)
O ex-governador Pedro Taques (PSDB) rebateu o pedido da juíza Célia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Popular, para que o promotor Mauro Zaque explique o porquê de o tucano não estar entre os citados na ação derivada da Operação Catarata, que apura irregularidades na Caravana da Transformação.
 
Em mensagem de texto enviada à imprensa, Taques disse não ter sido citado no caso porque não fez “nada de errado”. O tucano disse acreditar que se houvesse elementos mínimos contra ele, Zaque teria ajuizada uma ação. O promotor foi secretário de Segurança de sua gestão e deixou o cargo por conta de desavenças com Taques.
 
“Eu respondo pelo que fiz, não posso responder pelo que não fiz. Se o Ministério Público entendeu que eu não pratiquei nenhum ato ilícito, não ajuizou a ação contra mim, porque não fiz nada de errado. Do contrário, alguém tem alguma dúvida que o promotor Mauro Zaque não ajuizaria ação contra mim se eu tivesse feito algo de errado?”, disse, em uma referência velada à desavença entre os dois.
 
 
Se o Ministério Público entendeu que eu não pratiquei nenhum ato ilícito, não ajuizou a ação contra mim, porque não fiz nada de errado
“Expresso meu respeito ao Poder Judiciário do meu Estado, e a ilustre, digna e competente magistrada. Mas eu não sou citado na petição do Ministério Público porque nada fiz de errado. A não ser que inventem”, acrescentou.
 
Taques ainda apontou uma incoerência de Vidotti no novo pedido.
 
Na ação, a juíza postergou a análise de um pedido de bloqueio de R$ 13,3 milhões contra o Governo do Estado, a empresa 20/20 Serviços Médicos, o Fundo Estadual de Saúde, quatro ex-secretários estaduais e três ex-adjuntos.
 
A ação é resultado de investigações realizadas no âmbito da Operação Catarata, deflagrada em setembro de 2018 para investigar irregularidades em cirurgias oftalmológicas realizadas na Caravana da Transformação, durante o governo de Taques.
 
“Aliás, a própria magistrada disse que já existiriam outras ações com o mesmo objeto. Aliás, que a própria magistrada não concedeu a liminar contra os requeridos, pois ainda não são réus, pois a ação não foi ainda recebida, porque ela entendeu que não existem elementos para a liminar”, afirmou o ex-governador.
 
Ação do MPE 
 
Na ação civil pública, cuja causa é avaliada em R$ 13,3 milhões, o MPE requer a responsabilização dos citados pelos danos ao erário causados durante a execução dos contratos 037/2016/SES/MT e 049/2017/SES/MT, firmados pelo Estado com a empresa 20/20.
 
Figuram no polo passivo da ação os ex-secretários estaduais de Saúde Eduardo Bermudez, Luiz Antônio Soares e João Batista Pereira da Silva; o ex-chefe da Casa Civil, José Adolpho de Lima Avelino Vieira; e três ex-adjuntos de Administração Sistêmica da Secretaria de Saúde: Wanderson de Jesus Nogueira, Maura Lopes de Souza e Florinda Lafaete da Silva Ferreira Lopes. 
 
Os contratos previam a prestação de serviços clínicos e cirúrgicos em unidades móveis assistenciais em todo o Estado.
 
Em liminar, o MPE pediu a indisponibilidade de bens dos ex-secretários e da empresa até o montante de R$ 13.297.871,73, a suspensão de eventual execução do contrato 049/2017 - bem como de todos os pagamentos -, e que o Estado se abstenha de empenhar, autorizar, liquidar, pagar ou repassar por qualquer meio ou fonte, recursos públicos para suprir o referido contrato.
 
Além disso, solicita à Justiça que determine à Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan) e à SES para que efetuem o bloqueio do orçamento disponível de 2019 referente ao contrato com a empresa até o julgamento da ação.
 
No mérito, o órgão ainda requer a anulação de ambos os contratos vigentes com a 20/20, a condenação dos ex-secretários por improbidade administrativa e ao pagamento de dano moral coletivo no valor de R$ 1 milhão, a ser revertido ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos. 
 
"É patente que os habitantes locais foram expostos a riscos incalculáveis, como perda da visão e até a morte, pelo que não restam dúvidas que os atos ímprobos praticados pelos demandados acarretaram em graves prejuízos à população mato-grossense, expondo-os a diversos riscos relacionados à saúde", pontuou na ação.
 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet