Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 14 de Agosto de 2020

2 2
:
2 4
:
0 1

Últimas Noticias

Notícias / Judiciário

21 Fev 2020 - 14:22

Machado: fatos delatados por Riva devem conscientizar e educar

Desembargador homologou colaboração que contém 58 anexos com ilícitos cometidos durante 20 anos

Mídia News

Mídia News

 (Crédito: Mídia News)

Publicidade

Na decisão em que homologou a delação premiada do ex-deputado José Riva, o desembargador Marcos Machado, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, citou a vertente histórica do conteúdo delatado, assim como seu caráter educativo à sociedade.
 
Segundo ele, os fatos narrados por Riva devem ser retratados pela historiografia ao discorrer sobre o "poder político no Estado de Mato Grosso, nos últimos 20 anos, na esperança que eduque e conscientize a população mato-grossense, especialmente os jovens".
 
Durante o período em que comandou a Assembleia Legislativa, Riva admite uma série de ilícitos, com foco no desvio de dinheiro público com o objetivo de se manter no poder.
 
Segundo o desembargador, foram elencadas supostas condutas ilícitas atribuídas a ex-parlamentares e gestores, ocupantes de mandatos e cargos públicos e servidores públicos, além de empresários e pessoas jurídicas.
 
Ele afirmou que os citados teriam atuado na formação de quadrilha, posteriormente associação e aparente organização criminosa ao longo de mais de duas décadas.
 
"Institucionalizando a corrupção nos poderes Legislativo e Executivo, a ponto de alcançar, em tese, membros do Poder Judiciário, em que pese as inafastáveis garantias do contraditório e da ampla defesa, em processos administrativos e judiciais, na forma da lei". 
 
Sobre os fatos descritos, Machado afirma: "Merece recordação o pensamento de vanguarda do desembargador e cofundador da Academia Mato-grossense de Letras José de Mesquita: 'para ser Governo há que trilhar os caminhos do direito, sob pena de ser apenas um simulacro de autoridade'”.
 
"Traição"
 
No termo de homologação, o magistrado afirma que a revelação de fatos deve ser admitida para restabelecimento da verdade.
 
"Embora muitas vezes tenha carga equiparada à 'traição' e impunidade, com delatores vilanizados tal como Silvério dos Reis [delatou os inconfidentes mineiros à Coroa Portuguesa em troca de não ser processado, da sustação de suas dívidas, da liberação das suas fazendas, preferência de seus créditos e ressarcimento dos prejuízos experimentados], segundo memória de Paulo Eduardo Razuk", citou.
 
Ele ressaltou que a Justiça não pode negar conhecimento às versões dolosamente escondidas, ou deliberadamente ocultadas, para preservar interesses pessoais que caracterizam ilícitos, em detrimento do interesse público e social.

Machado discorre que o histórico de fatos políticos e administrativos, por si, invoca a aplicação do instituto da colaboração premiada.
 
"Seja para necessária reversão das práticas políticas instaladas e desenvolvidas no âmbito dos poderes políticos no Estado de Mato Grosso, de modo a restaurar o interesse público primário e resgatar os primados da lei e da ordem, seja para revisar biografias de homens e mulheres públicos (as) ou que se apresentam com status de idoneidade moral e respeitabilidade social ao relacionarem-se, de algum modo, com governadores, parlamentes e secretários de Estado", ressaltou.
 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet