Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quinta-feira 29 de Outubro de 2020

1 5
:
5 5
:
2 3

Últimas Noticias

Notícias / Judiciário

4 Mar 2020 - 15:20

Ex-governador de MT exige "venda" imediata de bens dados em delação

Silval Barbosa entregou fazendas e terrenos em seu acordo com a PGR

Folha Max

O ex-governador Silval Barbosa (sem partido) interpôs uma petição no Supremo Tribunal Federal (STF) exigindo a “alienação” (venda) dos bens que ele próprio disponibilizou em seu acordo de colaboração premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

O ministro do STF, Luiz Fux, enviou um ofício à PGR na última terça-feira (3) solicitando informações. Fux homologou o acordo de colaboração premiada do ex-governador no ano de 2017, qualificando o processo como uma “delação monstruosa”. 

Silval Barbosa se comprometeu a devolver R$ 70 milhões aos cofres públicos como uma das condições para “fechar” seu acordo de colaboração premiada. Desse valor, pouco mais de R$ 46,6 milhões seriam restituídos por meio de seus bens. Outros R$ 23,4 milhões seriam devolvidos em dinheiro, sendo 5 parcelas de R$ 4,7 milhões cada, pagas anualmente.

Entre os bens prometidos por Silval estão duas fazendas em Peixoto de Azevedo (696 KM de Cuiabá) – avaliadas em R$ 33,1 milhões e R$ 10,5 milhões -, além de um imóvel urbano localizado em Sinop (501 km de Cuiabá), e outro na Capital, que custam R$ 860 mil e R$ 1,23 milhão, respectivamente.

Em seu pedido, o ex-governador solicitou que o Ministro do STF determinasse que a 2ª Vara Criminal de Cuiabá) realizasse a alienação dos bens. O juízo é responsável pela gestão do acordo de colaboração premiada de Silval Barbosa.

Até novembro do ano passado, alguns dos bens de Silval Barbosa já haviam sido leiloados, revertendo aos cofres públicos o valor de R$ 39,4 milhões.

DELAÇÃO

O acordo de colaboração premiada com a PGR foi realizado no âmbito da operação “Ararath”. As informações repassadas pelo ex-governador já motivaram pelo menos duas operações no Estado: “Descarrilho”, de agosto de 2017, que apura diversos esquema de corrupção na implementação do veículo leve sobre trilhos (VLT), em Cuiabá e Várzea Grande, além da “Malebolge” (12ª fase da “Ararath”), que afastou cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), em setembro do mesmo ano. 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet