Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Segunda-feira 6 de Abril de 2020

0 9
:
2 0
:
5 3

Últimas Noticias

publicidade

Notícias / Judiciário

6 Mar 2020 - 14:29

MPE apura superfaturamento de 359% em contrato da Seduc

Portaria que abriu investigação cita ex-secretário Ságuas Moraes e a deputada federal Rosa Neide

Mídia News

Mídia News

 (Crédito: Mídia News)
O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um inquérito civil para investigar suposto superfaturamento de 359% no contrato firmado entre a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) com a Relumat Construções Ltda para aluguel de salas de aula desmontáveis na Escola Estadual Padre Firmo Pinto Duarte Filho, em Cuiabá.
 
O procedimento foi instaurado pelo promotor de Justiça Arnaldo Justino da Silva, do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, na terça-feira (3).
 
Conforme o inquérito, o contrato foi firmado em setembro de 2012 pelo então secretário de Estado de Educação, Ságuas Moraes, e pelo sócio-proprietário da empresa, Ricardo Augusto Sguarezi, no valor global de R$ 215 mil, pelo prazo de 12  meses. 
 
Sguarezi é delator da ação penal derivada da Operação Rêmora, que investiga fraudes em licitações na Seduc.
 
Conforme o inquérito, o possível superfaturamento foi apontado pela Controladoria Geral do Estado (CGE) em um relatório de 2015.

Com base no relatório, foi aberto um procedimento administrativo de responsabilização em face da empresa e um procedimento administrativo disciplinar contra os servidores Rosa Neide, ex-secretária da Pasta e atual deputada federal pelo PT, Antonio Carlos Ioris, Francisco Pereira de Assunção, Inácio do Nascimento Dias, Jorge Szablewski e Nuccia Maria Gomes Almeida Santos.
  
No relatório, a CGE apontou que as salas alugadas eram “construções simples (paredes isotérmicas, cobertura, piso cerâmico, 03 janelas, 01 porta, com dimensões: 5,96 x 8,35 e área construída de 49,77 m²)”, sem instalações como banheiros e área de lazer.
 
A CGE comparou os valores pagos pela Seduc à Relumat com outros imóveis de alto padrão e também com outros de padrão mais simples, semelhantes aos instalados na escola, e identificou que os preços contratados com a empresa estavam bem acima dos praticados pelo mercado.
  
Conforme a Controladoria, salas instaladas na Escola Estadual Dante Martins de Oliveira, em Várzea Grande, pela própria Seduc, custavam R$ 15,69 o metro quadrado, enquanto na unidade investigada o valor era de R$ 72,07.
 
“Conforme se extrai do Relatório produzido pela Controladoria Geral do Estado, comparando o preço pago para abrigar a Escola Estadual Dante Martins de Oliveira (situada na cidade de Várzea Grande) com a média do quadro 05, temos: R$ 72,07 – R$ 15,69 = R$ 56,38 a maior. Este resultado representa um preço 359,33% acima do preço praticado pela própria Seduc no mesmo segmento de suas atividades”, diz trecho do inquérito.
 
O promotor requisitou informações sobre o processo administrativo aberto contra a empresa e os servidores e as providências até o momento adotadas. 
 
Não há um prazo para o fim da investigação. 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet