Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quinta-feira 29 de Outubro de 2020

1 6
:
3 6
:
4 1

Últimas Noticias

Notícias / Judiciário

16 Mar 2020 - 14:19

STJ nega recurso e mantém nula condenação de empresário

Anildo José de Miranda e Silva conseguiu anular condenação no Tribunal de Justiça de Mato Grosso

Mídia News

Mídia News

 (Crédito: Mídia News)
A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça negou, por unanimidade, recurso do Ministério Público Estadual (MPE) contra uma decisão que considerou ilegal a participação de membros do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) no curso da ação penal que condenou o empresário Anildo José de Miranda e Silva. 
 
A decisão é da última terça-feira (9). Os ministros acompanharam o voto do relator, Jorge Mussi. A íntegra do documento ainda não foi disponibilizado.
 
“Conhecido o recurso de Ministério Público do Estado de Mato Grosso e não-provido, por unanimidade, pela Quinta Turma Petição Nº 709900/2019”,  diz trecho da decisão publicada no site do STJ.
 
O MPE questionava a decisão da Turma de Câmaras Criminais Reunidas, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que anulou a condenação de quatro anos de prisão do empresário afirmando que a Lei Complementar Estadual n. 119/2002, ao criar o Gaeco, proibiu a atuação dos promotores nele lotados na fase instrutória de processos. 
 
O empresário havia sido condenado pela suspeita de cobrar R$ 20 mil do então presidente da Câmara Municipal de Jaciara, Adilson Costa França, no ano de 2012. A suposta propina, segundo os autos, teria sido cobrada para o vereador conseguir um parecer favorável no Tribunal de Contas do Estado em relação as contas anuais de 2012.
 
No recurso, o MPE sustentou que os integrantes do Gaeco atuaram no processo contra Anildo conjuntamente com a promotora de justiça titular da ação penal de origem, o que seria permitido "à luz das disposições da Resolução CPJ n. 16/2003, da Resolução CPJ n. 104/2015, da Lei Complementar Estadual n. 119/2002 e da Lei Orgânica Nacional do Ministério Público, não representando ofensa ao princípio do promotor natural".
 
Em outubro do ano passado, o ministro Jorge Mussi já havia negado liminarmente o recurso do MPE.
 
Em sua decisão, o ministro citou a Lei Complementar Estadual nº 119/2002 e também a Resolução nº 16/2003-CPJ, que, conforme ele,  autoriza o promotor de Justiça integrante do Gaeco a atuar somente até o oferecimento da denúncia.
 
“A norma legal é de clareza solar, cabendo ao Gaeco, dentre outras atribuições, apenas a realização de investigações e serviços de inteligência e oferecimento de denúncia, acompanhando-a até seu recebimento. Não há que se falar em atuação do Gaeco de forma isolada, após esta fase processual”, escreveu Jorge Mussi.
 
“Neste caso, a despeito dos respeitáveis posicionamentos em sentido contrário, entendo que a atuação dos promotores de justiça integrantes do GAECO, à revelia de norma legal autorizativa, ofende, indubitavelmente, o princípio do promotor natural”, acrescentou o ministro relator.
 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet