Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 31 de Março de 2020

0 9
:
2 9
:
1 9

Últimas Noticias

Notícias / Judiciário

20 Mar 2020 - 15:28

Assassino de engenheiro cita coronavírus e pede prisão domiciliar

Paulo Faruk possui 62 anos de idade e tem um histórico de hiperplasia de próstata

Mídia News

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
O fazendeiro Paulo Faruk de Moraes, que confessou ter assassinado o engenheiro agrônomo Silas Henrique Palmieri Maia, em fevereiro do ano passado, pediu autorização para ficar em prisão domiciliar.  
 
Ao juiz da Comarca de Porto dos Gaúchos, a defesa do fazendeiro citou a pandemia do novo coronavírus e alegou que Paulo Faruk já possui 62 anos de idade e tem um histórico de hiperplasia de próstata.  
 
Desata forma, conforme a defesa, a manutenção do fazendeiro na prisão coloca em risco sua saúde.  
 
“O certo é que o requerente se encontra no grupo de risco pela idade que ele tem e pela doença de base de histórico de inflamação da próstata - tanto que tinha cirurgia agendada antes de sua prisão conforme documentos em anexo”, diz trecho do pedido.  
 
A defesa sustentou ainda que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o próprio Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) já emitiram recomendações para que presos que integrem os grupos de risco não sejam mantidos em cárcere.  
 
Ainda no pedido, a defesa usa de uma metáfora para tentar a prisão domiciliar do assassino confesso.  
 
“Acontece que, ao utilizar a prisão preventiva indiscriminadamente, mantendo pessoas em riscos nos covis insalubres estatais, e, considerando as medidas adotadas para prevenção da propagação da doença temos a impressão de estarmos em um navio em vias de naufrágio, onde deixar trancafiado o preso para morrer, sendo que toda a tripulação buscará uma forma de se salvarem, mas os encarcerados daquele navio não terão essa chance de buscar salvamento”.  
 
“Será que a pequena cidade de Porto dos Gaúchos tem condições médicas de atender os encarcerados”, questionou a defesa.  
 
Relembre o caso 
 
A vítima foi morta com seis tiros, na região do pescoço e cabeça. Os disparos, flagrados por câmeras de segurança, foram dados por trás, sem que a vítima pudesse se defender. 
 
Conforme o delegado Carlos Henrique Engelmann, que investiga o caso, o empresário se apresentou na Delegacia de Juara em 21 de fevereiro.  
 
O delegado revelou que o fazendeiro confessou o crime. O policial ainda informou que o motivo do assassinato foram as desavenças entre os dois resultantes de uma dívida que Moraes tinha com a empresa em que o engenheiro trabalhava.  
 
"O fazendeiro ficou incomodado com as cobranças que recebia e foi nutrindo um sentimento de ódio", relatou Engelmann. 
 
O produtor relatou que estava se sentindo incomodado com a presença da vítima na fazenda dele, mas que não desejava matá-lo. 
 
Ele contou que  tinha financiado o custeio da lavoura e na época da colheita o financiador foi até a propriedade cobrar a parte dele, para que a soja não fosse vendida  
O engenheiro era o representante da empresa financiadora e estava fiscalizando a colheita.
 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

  • por nonato, em 20 Mar 2020 às 18:41

    muita cara de pau, matou covardemente o engenheiro agora vem com essa de coronavirus, tem que permanecer engaiolado, pq nao pensou isso antes...esses defensores deveriam olhar dentro de si mesmos e se envergonharem de tal ato, cadeia pra esse assassino

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet