Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Segunda-feira 6 de Abril de 2020

0 8
:
1 4
:
2 0

Últimas Noticias

publicidade

Notícias / Judiciário

26 Mar 2020 - 14:24

"Nunca participei de qualquer atividade ilícita no governo Silval"

Vereador Renivaldo Nascimento diz que apenas julgou improcedente uma apreensão de carga

Mídia News

Mídia News

 (Crédito: Mídia News)
O vereador de Cuiabá  Renivaldo Nascimento (PSDB) classificou como “absurda” a ação do Ministério Público Estadual (MPE) que o investiga num suposto esquema de concessão de benefícios fiscais fraudulentos à Cervejaria Petrópolis S/A.
 
Além de Renivaldo, também são investigados o empresário Walter Faria, representante da cervejaria, o ex-governador Silval Barbosa e os ex-secretários de Estado Pedro Nadaf e Marcel de Cursi. Por estar em segredo de justiça, não há detalhes da ação e nem quais suspeitas pesam sobre cada um das pessoas citadas.
 
 
Eu nunca participei de qualquer atividade ilícita no Governo Silval. Isso [ação] é uma coisa absurda. Eu não sou corrupto
A ação foi interrompida temporariamente por decisão do juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, no último dia 11 de março.
 
Servidor da Sefaz, o vereador afirmou ao MidiaNews que não participou do processo que concedeu os benefícios fiscais à empresa em 2012.
 
“Eu nunca participei de qualquer atividade ilícita no Governo Silval. Não tenho nada a ver com isso. Isso [ação] é uma coisa absurda. Eu não sou corrupto. Não faço nada de errado”, afirmou.
 
Segundo ele, o MPE o colocou no rol de investigados da ação porque em 2017 julgou improcedente a apreensão de mercadorias da empresa.
 
“Estava tudo certo com as notas, não havia porque apreender os caminhões. Já prestei depoimento na Delegacia Fazendária. Para mim, tudo já está esclarecido”, disse.
 
A ação
 
A ação investiga a concessão de benefício fiscais fraudulentos à cervejaria na gestão de Silval.
 
Em troca, a Petropolis teria repassado uma propina de R$ 2 milhões ao ex-governador para pagamento de dívidas de campanha.
 
A suposta fraude foi delatada por Silval e Pedro Nadaf em seus acordo de colaboração premiada.  
 
O pedido para interromper a investigação partiu do Ministério Público Estadual, uma vez que o prazo prescricional [perda do direito de ação ocasionada pelo transcurso do tempo] estaria vencendo.
 
“Defiro o protesto como requerido, para tanto, proceda-se a notificação pessoal dos demandados, para ciência formal da medida, por meio da qual o Ministério Público do Estado de Mato Grosso demonstra seu propósito específico, de interromper o prazo prescricional da ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa, a ser proposta contra os demandados nos termos da Lei nº 8.429/1992, sobre os fatos apurados no Inquérito Civil – SIMP 009945-001/2017”, decidiu o juiz.
 
Com a decisão, a prescrição começa a correr a partir da data em que foi interrompida.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet