Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 27 de Novembro de 2020

1 0
:
5 9
:
2 8

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Agronegócio

16 Set 2014 - 07:50

Última Fronteira agrícola teme queda de preços internacionais

No Norte Araguaia, uma das novas fronteiras agrícolas do país, os armazéns estão abarrotados de milho

Agência da Notícia com Redação

Reprodução/Ilustrativa

A produção não para no Norte Araguaia, mas produtores teme queda de preços (Crédito: Reprodução/Ilustrativa)

A produção não para no Norte Araguaia, mas produtores teme queda de preços

Confresa e Porto Alegre do Norte: Para os produtores, a queda no preço internacional de produtos agrícolas trouxe um risco financeiro. A conta para produzir simplesmente não fecha. Os custos subiram e a valorização do dólar não está sendo suficiente para equilibrar as receitas.

No Norte Araguaia, em Mato Grosso, uma das novas fronteiras agrícolas do País, os armazéns estão abarrotados de milho. Amanhã, os produtores começam o plantio da soja sem saber se vão conseguir pagar o custo da safra que estão plantando. A maioria está à espera de alguma notícia de quebra de safra que possa alterar a trajetória dos preços.

O Norte Araguaia, região distante e de difícil acesso, recebeu dezenas de agricultores nos últimos três anos, que investiram pesado para abrir 430 mil hectares de plantação. Se em anos anteriores, até setembro, quase metade da produção de soja já estava vendida, neste ano sequer 10% foram comercializados.

Por ser uma região nova no plantio, os custos de produção são maiores. Incluem o investimento inicial com máquinas e terras. A queda nos preços agrícolas é especialmente nociva para quem recorreu a financiamentos e tem parcelas do crédito vencendo nos próximos meses. Os grandes produtores, que normalmente usam recursos próprios, conseguem minimizar as perdas. Os pequenos, no entanto, não têm alternativas para contornar o baque de uma safra frustrada.

Segundo Paulo Borges, que tem uma fazenda na região, um produtor de soja pode ter até 20% de retorno no negócio em um período de dez anos, mesmo que tenha perdas em alguns anos. "Este é o negócio com a menor barreira de entrada que existe. Qualquer um pode comprar terras e começar a plantar", diz Borges. Qualquer um, porém, é modo de dizer. Para plantar em 500 hectares, considerado uma pequena propriedade no Mato Grosso, é preciso ter pelo menos R$ 2 milhões.

Com tanto dinheiro aplicado nos últimos anos, a expectativa para a nova safra não é das melhores e o clima entre os agricultores da região é de apreensão. Os produtores dos Estados Unidos começaram a colher seus grãos e devem registrar uma supersafra. Isso tem feito os preços na Bolsa de Chicago, que balizam toda a venda de soja no mundo, despencarem.

A cotação do bushel (unidade de medida dos grãos no mercado americano) chegou nesta semana a US$ 10, o menor patamar dos últimos quatro anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

  • por Eng. Agronomo Pedro, em 16 Set 2014 às 10:30

    Todos sabemos que as atividades agrícolas passam por ciclos e a queda dos preços dos grãos já era esperado por todos que trabalham com essas cadeias. O problema é que os agricultores iniciantes, principalmente aqueles que colheram e venderam bem nas duas últimas safras já se acham milionários. Os agricultores que trabalham com o pé no chão sentiram muito pouco o impacto da crise.

  • por Agricultor de Confresa, em 16 Set 2014 às 08:24

    Será pior ainda se a Dilma continuar e o seu PTralha e PMDB. A matéria sobre a soja na região de Confresa foi publicada no jornal ESTADAO de São Paulo. Existe uma crise da soja muito forte que está por vir. As margens da safra 14/15 estão semelhantes as da crise de 2004, que quebrou muitos agricultores. Outro agravante, o endividamento com a construção de armazéns e compra de maquinários. Vejam a situação: saca de soja hoje, aqui, valendo R$40,00 milho: R$12,00. A conta não fecha. Quem vai continuar no setor são os grandes, que conseguem minimizar perdas. Quem não tem armazém pode dar adeus. Em Santana do Araguaia esses dias pra tras houve bloqueio da BR-158, porque? Porque, numa cidade de 65 mil habitantes, só tem energia pra 1.300 casas. APERTEM OS CINTOS, PORQUE VEM CRISE AÍ, E FEIA.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet