Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 26 de Maio de 2020

0 2
:
1 7
:
1 9

Últimas Noticias

Notícias / Judiciário

15 Mai 2020 - 14:56

Ex-secretário e mais três são condenados por esquema de notas frias

Fraude foi constada no contrato entre Secretaria de Segurança com a empresa ARP Campos, em 2003

Redação

A juíza Célia Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular, condenou o ex-secretário de Estado de Segurança Pública Élcio Hardoim e mais três pessoas por fraude em um contrato celebrado entre a Pasta e a empresa ARP Campos – ME, em 2003.
 
A fraude gerou prejuízo de mais de R$ 500 mil aos cofres públicos.
 
A decisão foi publicada na última semana e atende uma ação do Ministério Público Estadual (MPE).
 
Além do ex-secretário, também foram condenados o ex-diretor executivo do Fundo Estadual de Segurança José Marinho Filho, o ex-gerente da Oficina Única do Estado Paulo Roberto Costa e o empresário Cássio Luiz da Silva Campos, proprietário da ARP Campos. 
PUBLICIDADE
 
 
 
Conforme a decisão, eles terão que ressarcir o erário em R$ 316.919,61 mil. Paulo Roberto e Cássio Luiz ainda terão que pagar mais R$ 205 mil.
 
Além disso, todos deverão pagar multa civil no valor correspondente a 5%, do valor a ser ressarcido ao erário.
 
"A toda evidência, conforme já exposto, os requeridos praticaram atos de improbidade no exercício de suas funções, tratando a coisa pública como se privada fosse".

Eles ainda tiveram os direitos políticos suspensos pelo período de cinco anos e estão proibidos  de contratar com o Poder Público ou de receber benefícios fiscais pelo mesmo período. 
 
Consta nos autos que investigações realizadas pelo Ministério Público e pela auditoria interna da Secretaria de Segurança constataram diversas irregularidades no contrato, como faturamento e pagamento em duplicidade, pagamento de notas fiscais forjadas e faturamentos e pagamentos indevidos.
 
“Ressalta que os relatórios apontaram que a empresa requerida ARP Campos faturava as notas fiscais em duplicidade, implicando em mais de um pagamento para o mesmo produto ou serviço prestado, o que gerou o prejuízo de R$83.965,96 (oitenta e três mil novecentos e sessenta e cinco reais e noventa e seis centavos) aos cofres públicos do Estado de Mato Grosso”, diz trecho da denúncia.  
 
“Registra ainda, que a empresa ARP Campos emitiu notas fiscais frias e forjadas, somente para efeito de gerar o respectivo pagamento, uma vez que não houve a correspondente aquisição de peças ou a execução de serviços. Assevera que, de acordo com as notas de ordem bancária (NOBs) que instruem a inicial, o prejuízo foi de R$316.919,61 (trezentos e dezesseis mil novecentos e dezenove reais e sessenta e um centavos)”, acrescenta a denúncia.
 
"Aponta que foram registradas outras irregularidades, consistentes em: 1) orçamentos, faturas e atestos com a mesma data; 2) diversos orçamentos com valores iguais, porém, com divergência nos preços das peças e serviços; 3) duplicidade na numeração dos orçamentos e; 4) não observância nos prazos de garantia. Afirma que tais irregularidades apontam o prejuízo de R$121.851,83 (cento e vinte e um mil oitocentos e cinquenta e um reais e oitenta e três centavos)", diz outro trecho da denúncia.
 
Vantagem indevida
 
Em sua decisão, a juíza afrimou que, diante da documentação coletada nos autos, bem como pelos depoimentos colhidos em juízo, ficou demonstrado que os atos praticados pelos acusados foram ordenados a fim de obterem vantagem indevida, para si ou para terceiros, causando prejuízo ao erário.
 
Ela citou que a empresa ARP Campos foi a maior beneficiada pelas irregularidades, uma vez que, por intermédio de seu representante, acabou por receber valores indevidos e oriundos de atos de improbidade administrativa.
 
Tais condutas ímprobas violaram os deveres de zelo, idoneidade, honestidade e lealdade junto à administração
 
Frisou que o empresário Cassio Luiz da Silva Campos, na condição de sócio-proprietário da ARP Campos, permitiu que irregularidades fossem praticadas dentro da sua empresa, forjando, alterando e replicando notas fiscais, para posterior pagamento indevido.
 
Já Élcio Hardoim, no exercício do cargo de Secretário de Justiça e Segurança Pública, à época das irregularidades apontadas, conforme a magistrada, determinou o pagamento das notas fiscais sabidamente forjadas, visando proporcionar vantagem indevida a terceiros, em prejuízo ao erário estadual.
 
Com relação a José Martinho Filho, a juíza ressaltou que ele, na condição de diretor executivo do Fundo Estadual de Segurança Pública, ordenou ao seu subordinado, Nilson José da Silva, que liberasse o pagamento das notas fiscais de nº. 666, 667, 668, 669, 1529, 1530, 1531 e 1532, mesmo sabendo que estas eram forjadas.
 
Por fim, quanto a Paulo Roberto Costa, a magistrada registrou que na função de gerente da Oficina Única do Estado, atestou falsamente, o recebimento de bens e serviços pelo Estado, permitindo que os créditos sabidamente forjados fossem pagos à empresa.
 
“A toda evidência, conforme já exposto, os requeridos praticaram atos de improbidade descritos na Lei 8.24992, no exercício de suas funções, tratando a coisa pública como se privada fosse. Tais condutas ímprobas violaram os deveres de zelo, idoneidade, honestidade e lealdade junto à administração, expondo, negativamente, a imagem da Administração Pública do Estado de Mato Grosso, além de causar evidente prejuízo ao erário”, afirmou Célia Vidotti.
 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet