Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quinta-feira 24 de Setembro de 2020

0 8
:
2 5
:
5 5

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Judiciário

20 Mai 2020 - 08:58

Governo nega promover PM acusado de negociar informações no Gaeco

F.C.M. tentava ser promovido ao cargo de tenente da PM; ele é um dos investigados em operação

Mídia News

O governador Mauro Mendes (DEM) negou um recurso impetrado pelo subtenente da Polícia Militar F.C.M., que tentava ser promovido a tenente.
 
A decisão, publicada no Diário Oficial de segunda-feira (18), seguiu a orientação da Comissão de Promoção de Oficiais da Polícia Militar (CPO).
 
F.C.M. é um dos réus da ação penal derivada da Operação Convescote, que investigou um esquema que teria desviado mais de R$ 3 milhões dos cofres públicos, por meio de convênios firmados entre a Faespe e a Assembleia Legislativa, Tribunal de Contas do Estado (TCE), Secretaria de Estado de Infraestrutura e Prefeitura de Rondonópolis (212 km ao Sul de Cuiabá). 
 
O policial, que na época atuava no Gaeco, teria agido de forma a obstruir as apurações em curso, além de ter solicitado vantagem indevida no valor de R$ 10 mil a Hallan Gonçalves Freitas, que foi alvo da 1ª fase da Convescote e se tornou delator do esquema.
 
"Negar provimento ao recurso interposto por Franckcinei Canavarros Magalhães, mantendo integralmente a decisão proferida pela Comissão de Promoção de Oficiais (CPO), que, por unanimidade, concluiu por não incluí-lo no quadro de acesso para promoção”".

“Resolve (...) Negar provimento ao recurso interposto por Franckcinei Canavarros Magalhães, mantendo integralmente a decisão proferida pela Comissão de Promoção de Oficiais (CPO), que, por unanimidade, concluiu por não incluí-lo no quadro de acesso para promoção”, consta na decisão.
 
Entenda o caso
 
Em delação premiada firmada com o Ministério Público Estadual, Hallan - que é ex-funcionário da Faespe - entregou mensagens enviadas por WhatsApp em que um interlocutor até então desconhecido oferecia documentos sigilosos da investigação em troca do pagamento de R$ 10 mil.
  
De acordo com o delator, as ameaças começaram no final de 2016.
 
Hallan Freitas disse que o celular de sua esposa passou a receber mensagens, via WhatsApp, de um número cadastrado no nome dele, “de alguém dizendo que tinha documentos referentes à investigação, inclusive contendo fotografias minhas”.
  
Na primeira mensagem, conforme consta na investigação, o interlocutor avisou a esposa de Hallan Freitas para que o avisasse para entrar em contato, mas apenas via WhatsApp.
 
O interlocutor disse que tinha um documento muito “valioso” para Hallan, Benvenutti [Luiz Benvenutti, também investigado] e Jocilene [Assunção, diretora da Faespe].
 
“Diga para não ligar, tampouco enviar SMS, pois as duas formas podem ser rastreadas [...] Repito, não ligue... o cerco está se fechando e o documento que achei pode ajudar e muito”.
 
O autor da chantagem disse que “hackeava” órgãos e repartições e o documento que encontrou poderia ajudar Hallan. Nas mensagens, o policial enviou fotos de trechos do inquérito sigiloso, inclusive gráficos e imagens do monitoramento conduzido pelo Gaeco contra o delator, que hoje constam na ação penal.
 
“Esse documento pra mim não serve pra nada. Mas pra você pode significar muita coisa [...] Você deve estar sendo monitorado por algum motivo. Quero dez mil pelo documento... sem encontro pessoal, pois tenho certeza que está grampeado. Se não deve, pode ignorar”.
  
“Entenda que não é o único... tentei contato com a tal Jocilene, mas não consegui. O documento fala de uma Faespe, Unemat, TCE, Assembleia, Sicoob, Plante Vida, e por aí vai”, disse.
 
Por sua vez, o policial  F.C.M. negou ter sido o autor das mensagens. Na versão da defesa, não foi ele quem usou o celular de onde partiram as mensagens solicitando vantagens indevidas, e sim outro PM, que morreu em julho de 2017 .
 
F. alegou que não contou sobre a situação aos seus superiores para não “queimar” a imagem do colega, pois o mesmo já tinha morrido.
 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet