Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 12 de Agosto de 2020

0 9
:
4 9
:
2 5

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Política

21 Mai 2020 - 08:42

Mendes: “Deputado critica salário, mas paga R$ 15 mil a assessor”

Governador criticou Ulysses Moraes, que foi contra projeto que eleva gratificação a cargos de chefia

Mídia News

Mídia News

 (Crédito: Mídia News)

Publicidade

O governador Mauro Mendes (DEM) voltou a disparar críticas contra o deputado Ulysses Moraes (PSL), em razão do polêmico projeto do Executivo que, na prática, eleva salários de servidores de carreira do Estado que ocupam cargos em comissão.
 
Aprovado pelo Legislativo na última semana, o texto do Governo reajusta os percentuais de gratificação pagos aos comissionados e foi alvo de intensas críticas de alguns parlamentares, especialmente por parte do deputado do PSL.
 
Ulysses chegou a publicar vídeos nas redes sociais e tabelas que ilustram os valores reajustados nas gratificações.
 
“Tem um deputado que critica o salário do Executivo, mas paga R$ 15 mil para um assessor. Quer comparar o que um assessor de deputado faz? Um assessor desse deputado que fez um vídeo falando um monte de inverdades, distorcendo fatos...”, disse Mendes.
 
"Tem um deputado que critica o salário do Executivo, mas paga R$ 15 mil para um assessor. Quer comparar o que um assessor de deputado faz?".

“Um assessor não tem a mesma responsabilidade que um secretario de Fazenda, de Saúde, um diretor de presídio. Pensa bem o que é assumir um cargo de diretor de uma penitenciária e ganhar R$ 900 a mais no salário. Quem quer colocar a vida em risco, mexer com pessoas de alta periculosidade, ser ameaçado por R$ 900?”, questionou.
 
As declarações foram dadas nesta semana em entrevista à rádio Jovem Pan. Na ocasião, o democrata disse que a readequação no percentual de gratificação é uma mudança que já deveria ter ocorrido.
 
Segundo ele, muitos servidores são reticentes em assumir cargos de chefia, dado o percentual baixo de gratificação que é incorporado ao salário.
 
“Ninguém queria. Muitos cargos temos dificuldade de preencher. Fizemos um ajuste nesse pagamento. Não tem aumento de salário. Quem falou isso, que subiu salário, mentiu descaradamente. Eu ficava vendo [as críticas] nas redes e falava: ‘que insanidade’. Não houve aumento de salário. Não se faz gestão com hipocrisia”, afirmou.
 
Com a aprovação do projeto, ocorrerá um aumento no valor recebido pelos servidores efetivos que ocupam cargos em comissão.
 
Isto porque, atualmente, um servidor de carreira que exerce um cargo de secretário de Estado, por exemplo, recebe o seu salário e mais 35% de gratificação sobre o valor da DGA-1 – que é R$ 18,2 mil.
 
A partir de agora, essa gratificação passará a ser de 70% sobre o valor do DGA. Ou seja, a gratificação que era de R$ 6,3 mil passa a ser de R$ 12,7 mil. O mesmo ocorre com outros DGAs, cujo valor da gratificação sobe para até 90%.

 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet