Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 22 de Setembro de 2020

0 2
:
4 1
:
3 8

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Política

29 Mai 2020 - 09:00

AL pede para fazer parte de ação que elevou alíquota de militares

STF permitiu para que Estado passe a descontar 14% da alíquota previdenciária de policiais e bombeiros

Mídia News

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
A Procuradoria Geral da Assembleia Legislativa ingressou com um pedido para fazer parte da ação no Superior Tribunal Federal (STF) em que o Executivo pede a aplicação de um desconto previdenciário de 14% sobre policiais e bombeiros militares do Estado. 
 
O pedido, feito na Ação Cível Originária, é para que o Legislativo integre a ação no chamado “Amicus Curiae” (amigo da Corte), assim, caso aceito, participará da ação como terceiro, oferecendo esclarecimentos sobre questões essenciais ao processo.
 
Na semana passada, o Governo do Estado conseguiu, em decisão liminar (provisória) do ministro Alexandre de Moraes, a concessão para o desconto de 14% referente a alíquota previdenciária dos policiais e bombeiros militares.
 
"Quanto a especificidade do tema objeto da demanda, a controvérsia acerca da competência concorrente para legislar sobre previdência é tema de central interesse e de alta possibilidade de colaboração da Assembleia Legislativa, vez que sendo a Casa de Leis, qualquer discussão constitucional sobre conflito legislativo há de contar com sua participação”, alegou Procuradoria da Casa de Leis.
 
"Dada a essencialidade das atividades militares, a previsão de norma geral federal transitória não afronta a competência estadual, que fica preservada".

O pedido é assinado pelo presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (DEM), e pelo procurador-geral Ricardo Riva. Ele foi encaminhado ao Supremo no dia 22 de maio.
 
Na norma federal, conforme argumentou o procurador, é estabelecido que apenas a partir do dia 1º de janeiro de 2025 os entes federativos poderão alterar as alíquotas referentes aos militares.
 
Com isso, o Legislativo entende que a União não invadiu a competência do Estado. Argumento contrário ao Executivo, que afirmou que o Governo Federal invadiu a autonomia dos estados para legislar sobre o sistema previdenciário.
 
"Vê-se que a norma federal atua temporariamente sobre as alíquotas dos servidores militares em momento de reforma da previdência que trouxe regras mais severas para todo o servidor público. Ocorre que, dada a essencialidade das atividades militares, a previsão de norma geral federal transitória não afronta a competência estadual, que fica preservada"
 
Imbróglio legislativo
 
O imbróglio legislativo se deu quando em janeiro deste ano, a Assembleia Legislativa aprovou a Lei Complementar que fixa a alíquota da contribuição previdenciária aos servidores civis e militares em 14%.
 
Logo depois, com o pretexto de regulamentar a legislação federal, a União editou duas instruções normativas impondo aos Estados a aplicação das alíquotas previdenciárias  aos militares.
 
Por conta da Reforma da Previdência do presidente Jair Bolsonaro, os militares do Estado recolhiam uma alíquota de 9,5% neste ano, e passariam a contribuir com 10,5%, a partir de 1° de janeiro de 2021. 
 
No entanto, após a Procuradoria Geral do Estado (PGE) ingressar com pedido de tutela de urgência, o ministro Alexandre de Moraes concedeu a permissão para o Estado cobrar 14% dos servidores militares.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet