Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 14 de Agosto de 2020

1 7
:
1 7
:
0 2

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Geral

18 Jun 2020 - 09:46

Com dificuldades para passar, reforma da Previdência é adiada e deputados preparam emendas

Olhar Direto

Fablicio Rodrigues / ALMT

 (Crédito: Fablicio Rodrigues / ALMT)

Publicidade

O Projeto de Emenda Constitucional (PEC-06/2020), que reforma a Previdência dos servidores estaduais, será votado em caráter de emergência na próxima segunda-feira (22), com alterações apresentadas pelos deputados.


A ideia inicial era colocar o projeto para ser apreciado em primeira votação na sessão desta quarta-feira (17), conforme manda o regimento, e como queria o Palácio Paiaguás.

A proposta, no entanto, foi negada por maioria e a pauta só será votada na segunda-feira (22), já com emendas, ou seja, propostas dos parlamentares quanto ao projeto do Executivo. O deputado Eduardo Botelho disse que a vontade dele era outra.

"Por mim, nós votaríamos hoje o projeto da reforma da Previdência e depois iria criar e ingressar com as emendas. Mas sou um escravo do regimento dos deputados. Se eles querem assim, segunda teremos nova sessão para votar exclusivamente isso", disse o presidente.

Antes dessa decisão, Botelho já tinha iniciado a sessão plenária de hoje e convocado uma reunião com os deputados Paulo Araújo (Progressistas), Elizeu Nascimento (DC), Silvio Favaro (PSL), Delegado Claudinei (PSL), Carlos Avalone (PSDB) e Valdir Barranco (PT), juntamente com membros do MT-Prev.

"Na reunião com os diretores da MT-Prev e os deputados, ficou decidido que existe algum espaço para fazer alterações e vamos tentar construir as novas propostas dentro disso. Vamos criar e apresentar algumas alterações no projeto. Se não conseguir, vai votar do mesmo jeito. E que vença quem tiver maioria. É a forma que os deputados querem", esclareceu Botelho ao final da reunião. 

Quando o presidente diz "que vença quem tiver a maioria" significa que haverá um embate entre os deputados da oposição e os da situação, que apoiam a pauta da reforma. 

Segundo o secretário da Casa Civil, Mauro Carvalho, é necessário que haja a primeira votação, para que depois sejam colocadas as novas propostas. Porém, o Palácio Paiaguás deve ter nova conversa com seus aliados e tentar entrar com a maioria das emendas, seguindo as que já foram impostas pelo governo. 

Vale ressaltar que deputados como João Batista (Pros), Elizeu Nascimento, Delegado Claudinei, Faissal Calil, Lúdio Cabral (PT), e Ullysses Moraes (PSL) são de oposição ou ligados a grupos sindicalistas, o que implica em possível voto contrário ou indicação de mudança no projeto do governo.

Projeto do governo

O principal ponto da reforma prevê o aumento da alíquota de contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14%. A reforma deve conter o déficit da previdência que acumula um saldo negativo de R$ 1,3 bilhão ao ano, conforme estudo apresentado pelo presidente do Mato Grosso Previdência (MT Prev), Elliton Souza.

Além disso, a reforma traz mudanças para as aposentadorias dos servidores, como aumento da idade mínima - 62 mulheres e 65 homens - e do tempo de contribuição.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet