Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Segunda-feira 3 de Agosto de 2020

0 6
:
3 1
:
3 9

Últimas Noticias

Notícias / Geral

19 Jun 2020 - 08:40

Bolsonaro reclama de cerco jurídico e discute com ministros reação

Policial foi assessor de Flávio Bolsonaro; ele é acusado de operar esquema com dinheiro de "rachadinha"

Folhapress

Presidência/Divulgação

 (Crédito: Presidência/Divulgação)

Publicidade

Com a prisão do policial militar aposentado e seu amigo Fabrício Queiroz, o presidente Jair Bolsonaro afirmou a aliados nesta quinta-feira (18) aque o Judiciário tem tentado construir um clima político com o objetivo de tirá-lo do cargo.


Bolsonaro discute com assessores como reagir diante da prisão ocorrida em Atibaia (SP), em um imóvel do advogado Frederick Wassef, que tem o presidente e seu filho Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) como clientes.


Segundo relatos de interlocutores palacianos, o presidente considerou que não foi uma coincidência o fato de, na mesma semana, terem sido feitas operações de busca e apreensão contra aliados no âmbito do inquérito que corre no STF (Supremo Tribunal Federal) sobre atos antidemocráticos, e prendido, via decisão judicial do Rio, seu amigo e ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro.


O mandado de prisão de Queiroz foi expedido pela Justiça do Rio de Janeiro, a pedido do Ministério Público do estado, que coordena a operação. Ainda não houve denúncia, e a suspeita é de interferência de Queiroz nas investigações, por isso a prisão preventiva -ele não era considerado foragido.


Nas conversas reservadas desta quinta-feira, Bolsonaro se queixou, de acordo com relatos feitos à reportagem, de que estão tentando a todo custo encontrar alguma evidência que o prejudique, mas ressaltou que reagirá ao que chamou de cerco jurídico.

 

Nesta quinta, o presidente se reuniu com os ministros militares para discutir uma estratégia de reação. Conforme noticiou a Folha de S.Paulo, o ministro da Justiça, André Mendonça, também foi chamado. O ministro-chefe da AGU (Advocacia-Geral da União), José Levi, foi convocado posteriormente.


No governo, há tanto quem defenda que o presidente deve reagir publicamente à prisão do amigo, com uma crítica dura ao Judiciário, como há assessores que acreditam que ele deve deixar a resposta oficial para a defesa de seu filho, tentando, assim, se afastar do episódio.

 

Filho cita ataque


Flávio afirmou que a prisão do ex-assessor é "mais uma peça movimentada no tabuleiro" para atacar seu pai. "Encaro com tranquilidade os acontecimentos de hoje. A verdade prevalecerá! Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro", escreveu em rede social.


Para integrantes do núcleo fardado, o melhor neste momento seria que Bolsonaro se afastasse publicamente de Wassef e que deixasse o advogado se explicar sobre o motivo de Queiroz ter se abrigado em uma de suas propriedades.


Apesar de defenderem a estratégia do silêncio, militares do governo reconhecem que, neste caso, é impossível dissociar o presidente do advogado, figura frequente no Palácio do Planalto.


Ao todo, Wassef esteve ao menos nove vezes no Planalto e no Alvorada desde setembro. Só neste mês, ele foi visto duas vezes na sede do governo.


A avaliação de uma pessoa próxima à família do presidente é a de que o estrago ainda está em andamento e que, no momento, ainda é preciso esperar a repercussão para adotar uma posição.


Em conversas com amigos, o presidente dizia, desde o ano passado, que a situação do seu filho mais velho era a mais difícil e a que mais o preocupava.


A situação durante a manhã desta quinta-feira era descrita como caótica por assessores presidenciais. Em um comportamento atípico, Bolsonaro não parou para conversar com um grupo de eleitores que o esperava na entrada do Palácio da Alvorada.


No Palácio do Planalto, após reunião para discutir a estratégia de reação, o presidente almoçou com um grupo de ministros e deputados. Segundo presentes no encontro, ele não citou a prisão de Queiroz e, quando perguntado sobre o assunto, respondeu que não queria falar a respeito.


​O almoço, que teve como prato principal leitão à pururuca, foi promovido pelo deputado federal Fábio Ramalho (MDB-MG). De acordo com relatos feitos à reportagem, apesar do dia difícil, Bolsonaro tentou aparentar bom humor. "Ele queria comer leitão à pururuca. Então levei para ele. O presidente estava alegre e fez elogios ao Congresso", disse Ramalho.​


Nesta quinta-feira, em um comportamento atípico, Bolsonaro não parou para conversar com um grupo de eleitores que o esperava na entrada do Palácio da Alvorada.


Queiroz é investigado por participação em suposto esquema de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro.


"Rachadinha" é quando funcionários são coagidos a devolver parte de seus salários. O filho de Bolsonaro foi deputado estadual de fevereiro de 2003 a janeiro de 2019.


A operação que prendeu Queiroz em São Paulo foi comandada pelo delegado Nico Gonçalves, chefe do Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas) da Polícia Civil.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet