Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Segunda-feira 10 de Agosto de 2020

1 9
:
4 0
:
5 0

Últimas Noticias

Notícias / Geral

19 Jun 2020 - 10:00

Ex-secretário é condenado a 18 anos de prisão e a devolver mais de R$ 52 milhões aos cofres públicos de MT

A decisão é do juiz Jeferson Schneider, da 5ª Vara Federal de Cuiabá, e foi proferida no dia 10 de junho.

G1-MT

Renê Dióz / G1

 (Crédito: Renê Dióz / G1)

Publicidade

A Justiça Federal condenou o ex-secretário estadual de Fazenda Eder de Moraes Dias a 18 anos de prisão e à devolução de R$ 52, 5 milhões por desvios cometidos por crimes de corrupção passiva e peculato em 2008. A decisão é do juiz Jeferson Schneider, da 5ª Vara Federal de Cuiabá, e foi proferida no dia 10 de junho.

O G1 tenta localizar a defesa de Eder Moraes e dos demais citados na ação.

Conforme o processo, em agosto de 2008, Eder solicitou e aceitou promessa de receber para si vantagem indevida de R$ 4,3 milhões por intermédio da empresa Lince Construtora e Incorporadora LTDA, se utilizando da função de secretário de Fazenda de Mato Grosso e em troca da prática ato de ofício irregularmente e com violação de dever funcional.

Apurou-se, também, que Eder de Moraes Dias, agindo novamente com vontade livre e consciente, no pleno exercício das atribuições de secretário de Fazenda e em unidade de desígnios com José Geraldo de Saboia Campos, em 6 de agosto de 2008, quando desviou, em proveito próprio e alheio, dinheiro público que tinha a posse em razão do cargo de secretário estadual de Fazenda, causando prejuízo de R$ 17, 4 milhões.

E, 7 de agosto de 2008, solicitou e recebeu de José Geraldo Saboia Campos vantagem indevida no valor de R$ 1,2 milhão, pagos mediante 12 cheques depositados na conta de seis empresas, para si e para beneficiar o grupo político do qual era operador, em razão de sua então função de secretário de Fazenda.

O processo foi extinto em relação ao acusado José Geraldo De Sabóia Campos em razão de ter sido reconhecido o advento da prescrição em perspectiva.

Em sua decisão, o juiz destacou que o ex-governador Silval Barbosa firmou acordo de colaboração premiada homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A referida colaboração, juntamente com colaborações de outros investigados, deu ensejo à autuação de diversas petições autônomas.

A defesa técnica de Eder Moraes alegou que a origem de toda a investigação que deu azo à Operação Ararath residiu em suposta existência de um sistema financeiro paralelo e que o Ministério Público Federal, ao narrar esses fatos e aqueles imputados na denúncia, fez referência a um financiamento ilegal de campanhas eleitorais, o que implicaria a incompetência da Justiça Federal.

Ainda de acordo com o magistrado, o primeiro acordo ilegal ocorreu em data não comprovada nos autos, porém, em data anterior ao dia 6 de agosto de 2008, isto porque logo após o acordo foram protocolados os pedidos de desistência de dois processos judiciais, sendo que antes mesmo da extinção dos processos pela Justiça Estadual, Eder Moraes, no mesmo dia 6 de agosto, pessoalmente, autorizou os pagamentos; ainda no dia 6 de agosto, por interpostas pessoas ao réu subordinadas, emitiu e liquidou notas de empenho em favor da empresa Sabóia Campos Construções E Comércio LTDA; também no dia 6 de agosto, por interpostas pessoas, efetuou as transferências bancárias nos valores de R$ 6,8 milhões e R$ 10,6 milhões.

“Uma vez tendo sido realizada a dosimetria dos dois crimes (corrupção passiva qualificada e peculato), impõe-se a incidência das regras do concurso material. Destarte, levando-se em consideração a pena definitiva para cada um dos dois crimes, tenho que a soma desses crimes perfaz um total de 18 anos e oito meses de reclusão e 466 dias-multa. A pena deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado. Condeno o acusado ao pagamento de uma indenização atualizada até a presente data no valor de R$ 52.555.222,66”, decidiu o juiz.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet