Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 31 de Outubro de 2020

1 9
:
3 9
:
3 3

Últimas Noticias

Notícias / Judiciário

3 Jul 2020 - 08:12

MPE denuncia presidente da OAB por suposta agressão à esposa

Episódio aconteceu no dia 27 de maio no apartamento do casal, no Bairro Goiabeiras

Mídia News

O Ministério Público Estadual ofereceu denúncia contra o presidente licenciado da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) seccional Mato Grosso, Leonardo Campos, por violência doméstica contra a mulher, com agravante de abuso de autoridade.
 
Ele foi acusado pela esposa, a advogada Luciana Póvoas, de agredi-la durante uma discussão. O episódio ocorreu no dia 27 de maio no apartamento do casal, no Bairro Goiabeiras, em Cuiabá.
 
Campos chegou a ser preso, após Luciana chamar a Polícia Militar e denunciar que havia sido empurrada contra a parede pelo esposo.
 
O caso gerou repercussão em nível nacional e "Léo Capataz", como é conhecido, pediu licença do cargo de presidente da OAB-MT para "resolver assuntos particulares".
 
O inquérito do caso estava com a Delegacia Especializada na Defesa da Mulher (DEDM) da Capital e foi encaminhado ao MPE após a conclusão.
 
O documento foi assinado pela promotora Lais Glauce Antonio dos Santos, no dia 29 de junho. Ela convocou ainda a esposa do presidente e o filho do casal, de 17 anos, que presenciou o fato.
 
“Ante o exposto, tenho por bem denunciar, como de fato denuncio, LEONARDO PIO DA SILVA CAMPOS como incurso no artigo 21 do Decreto-Lei nº 3.688/41, c/c artigo 61, inciso II, alínea “f”, do Código Penal Brasileiro, com os efeitos da Lei 11.340/2006, razão pela qual requeiro que recebida e autuada esta, seja ele citado para apresentar resposta escrita, conforme artigo 396 do CPP, prosseguindo o feito em seus ulteriores atos, nos termos do artigo 400 do CPP, com oitiva das testemunhas abaixo arroladas e subsequente interrogatório, até sentença final condenatória”, diz trecho da denúncia.
 
Injúria
 
Quanto ao suposto crime de injúria a que a esposa chegou a acusar Campos, a promotora afirmou que este tipo de delito tem sua persecução penal aberta mediante iniciativa da vítima, que tem até seis meses do fato para fazer a queixa-crime.
 
“No presente caso, a vítima renunciou ao direito de queixa-crime e, posteriormente, retratou-se da renúncia, afirmando que o documento por ela firmado, em que abdicou do direito em comento, foi assinado quando ela estava sob o efeito de medicamentos. Assim, eventual apresentação de queixa-crime (caso acolhida a retratação da Renúncia) poderá ocorrer até a 26.11.2020”, disse.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

Notícias Relacionadas

 
Sitevip Internet