Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 8 de Agosto de 2020

1 7
:
2 6
:
2 0

Notícias / Política

14 Jul 2020 - 17:40

Misael encaminha relatório da CPI à Procuradoria da Câmara: 'assim que devolverem vai ser votado'

Carlos Gustavo Dorileo/Olhardireto

Publicidade

Alegando a necessidade de garantir a legalidade no processo, o presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, vereador Misael Galvão (PTB), encaminhou à Procuradoria Geral o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada no Parlamento Municipal contra o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).
“Recebi os dois relatórios da CPI, já encaminhei para a Procuradoria Geral da Casa, dei ciência ao plenário e assim que a procuradoria devolver vai ser votado. Não vou fazer nada no afogadilho, não vou fazer nada sem a consulta a Procuradoria”, garantiu o petebista.

Desta forma, uma sessão especifica para votação do relatório será marcada assim que a Procuradoria entregar o parecer técnico. ”Quando a Procuradoria devolver com a especificação dos ritos, será votado”, disse o vereador.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) por possível recebimento de propina paga pelo governador Silval Barbosa (Sem partido) quando o gestor ainda era deputado, votou pelo afastamento do prefeito por 180 dias e pela criação de uma comissão processante que pode resultar na cassação do mandato em definitivo. 

A votação foi na manhã de sexta-feira (10) e o resultado ficou em 2x1, com voto contrário do vereador Toninho de Souza (PSDB), que é da base do prefeito e relator da comissão. 

O presidente da CPI, vereador Marcelo Bussiki (DEM), e o vereador Sargento Joelson (PSC) votaram pela aprovação e agora o relatório segue para o plenário. Assim como foi no inquérito do vereador Abílio Brunini (PSC), a votação acontece em uma sessão extraordinária onde todos os 25 parlamentares devem proferir o seu voto a favor ou não do afastamento do prefeito. Somente 9 parlamentares fazem oposição a Emanuel.

A CPI do Paletó contou apenas com o voto contrário do vereador Toninho de Souza, que em sua leitura disse que não era competência da Câmara afastar ou não o prefeito, sendo que o possível crime cometido pelo prefeito foi em âmbito estadual, quando ele era deputado. 

Ainda não foi marcada a data que o processo será julgado em plenário. Por ora, o prefeito Emanuel Pinheiro tem maioria absoluta e a Casa de Leis não teria forças para derrubar o relatório aprovado na Comissão. 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet