Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quinta-feira 3 de Dezembro de 2020

0 4
:
3 4
:
1 3

Últimas Noticias

Notícias / Cidades

16 Jul 2020 - 19:20

Saiba para quando está previsto pico do coronavírus em Cuiabá e regiões de MT

Wesley Santiago/Olhardireto

Nota técnica elaborada por quatro pesquisadores dos Departamentos de Matemática e de Geografia e do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) mostra que o pico de contágio na Baixada Cuiabana será na primeira quinzena de agosto e começará a reduzir lentamente em setembro, fazendo com que o impacto da pandemia diminua.Enquanto isso, em outras regiões, o pico deverá acontecer em setembro. No Centro Norte de Mato Grosso, por exemplo, a curva deve atingir o topo em março de 2021.
 
Apesar das estimativas mostrarem que o pico da Covid-19 em Cuiabá e Baixada Cuiabana será em agosto, começando a diminuir no início de setembro, os pesquisadores alertam que após a região atingir esse pico, a curva epidemiológica irá desacelerar de forma lenta, ou seja, a disseminação do vírus permanecerá, mas o número de infectados se espalhará ao longo do tempo até cessar o número casos.
 
“Não significa que após o pico vai tudo voltar ao normal. Vai ir reduzindo de forma lenta, o que vai continuar impactando a vida e a rotina das pessoas”, explica o professor Moisés Cecconello, do Departamento de Matemática da UFMT e um dos autores da nota técnica.
 
O estudioso adianta ainda que irá atualizar a nota técnica com os dados do período da quarentena coletiva obrigatória em Cuiabá e Várzea Grande, adotada desde 25 de junho, o que pode alterar os resultados obtidos até o momento. Segundo ele, até mesmo os resultados da quarentena determinada pelo Poder Judiciário levarão de 10 a 15 dias para serem sentidos pela população, pois é o tempo médio que o novo coronavírus (SARS-Cov-2) leva para se manifestar no organismo da pessoa e ela procurar atendimento médico.
 
Ainda conforme o estudo, “a análise do panorama da Covid-19 segundo regiões de saúde revelou que distintas ações podem influenciar na resposta local ao coronavírus, resultando em maior ou menor incidência de casos, bem como na intensidade de transmissibilidade”. Isso leva a conclusão de que as diferenças encontradas entre as regiões de saúde de Mato Grosso devem ser consideradas na definição de estratégias de enfrentamento da epidemia que incorporem as particularidades locais e regionais.
 
Segundo a pesquisa, as 16 regiões de saúde do estado apresentam importantes disparidades sociodemográficas, econômicas e de capacidade instalada quanto aos serviços de saúde, incluindo a infraestrutura necessária para o atendimento de pacientes com quadros graves da Covid-19. Por conta disso, o avanço da epidemia pode ter impactos também distintos em cada região, inclusive na evolução da curva de contágio.A respeito dessa estrutura na rede de saúde desigual entre as regiões do estado, a pesquisa da UFMT lembra que duas não possuem leitos clínicos ou de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos para a Covid-19 (Araguaia Xingu e Norte Araguaia Karajá) e uma não possui leitos de UTI, apenas 20 leitos clínicos (Norte Mato-grossense). O professor Moisés Cecconello destaca que é preciso estruturar essas regiões para evitar mortes e o colapso da saúde em Cuiabá, que é para onde vêm a maioria dos pacientes do interior. “É preciso uma política uniformizada, mais diálogo entre prefeituras e governo”, comenta.
 
O estudo, intitulado “Evolução da Covid-19 em Mato Grosso: panorama atual e projeções para as regiões de saúde” (confira a íntegra ao final da matéria), apresenta estimativas com base nos dados entre 20 de março e 30 de maio da Covid-19, divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT). No levantamento, os pesquisadores dividem o estado em 16 regiões de saúde.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet