Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Domingo 23 de Janeiro de 2022

1 1
:
5 1
:
0 1

Últimas Noticias

Notícias / Cidades

17 Jul 2020 - 17:20

Governo do estado decide fechar os hospitais de campanha do Maracanã e de São Gonçalo

Pacientes já começaram a ser transferidos para outras unidades da rede. Esvaziamento às pressas ocorre com o fim do contrato com o Iabas; até que a Fundação Estadual de Saúde assuma a gestão, espaços ficarão desativados -- e não há prazo para reabert

G1-MT

O governo do RJ decidiu nesta sexta-feira (17) fechar -- ainda hoje -- os dois hospitais de campanha sob sua gestão, no Maracanã e em São Gonçalo.

O Blog apurou que pacientes já começaram a ser transferidos para outras unidades. Até esta manhã, eram 28 internados no Maracanã e oito em São Gonçalo -- a maioria na CTI.

O governo do estado diz que é "um fechamento preventivo", pois o contrato do Iabas com os funcionários se encerra neste sábado (18). A Fundação Estadual de Saúde vai assumir os espaços (leia mais abaixo).

O Blog apurou que, enquanto a entidade reorganiza o quadro de pessoal, os hospitais permanecerão fechados -- e não há prazo para reabertura.

No dia 2 de junho, o governador Wilson Witzel assinou um decreto em que afastava o Iabas da gestão -- mas o contrato ficou vigente até agora, ainda que sob intervenção da Fundação.

O contrato com o Iabas foi firmado por R$ 835 milhões, dos quais R$ 256 milhões foram pagos.O que diz o governo
Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde negou o fechamento das unidades -- mas não informou data de reabertura.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informa que iniciou, nesta sexta-feira (17), de forma preventiva, a transferência dos pacientes do Hospital de Campanha do Maracanã e de São Gonçalo para outras unidades. [...] Assim, eles terão a saúde preservada e poderão dar continuidade a seus tratamentos.

A SES reforça que a medida foi tomada em virtude do término do contrato com o Iabas, que acontece no sábado (18/7), informado à SES pela OS no dia 14 deste mês.

A SES finaliza comunicando que os hospitais não serão fechados neste momento e que a Fundação Saúde irá ceder profissionais para atuarem nas unidades para onde os pacientes estão sendo transferidos. Questões trabalhistas serão resolvidas pela OS.

Crivella comenta
O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, comentou o esvaziamento das unidades.

"Eu gostaria que eles mantivessem funcionamento pelo menos das UTIs. No estado, não vai fazer muita falta porque o governo não conseguiu colocar essas unidades em funcionamento”, ponderou, durante um evento de reforma de um deque na Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul do Rio.

Problemas desde a inauguração
Entre as "questões trabalhistas" está o atraso de salários. Nesta quinta-feira (16), funcionários do Maracanã protestaram na porta da unidade -- um grupo voltou a se manifestar nesta sexta, afirmando não ter recebido os vencimentos de junho.
Dos sete hospitais de campanha prometidos pelo governador Wilson Witzel, apenas o do Maracanã e o de São Gonçalo foram abertos, com atraso.

Witzel disse que as sete unidades abririam até 30 de abril. No dia 9 de junho, parte do Hospital de Campanha do Maracanã foi aberta. No dia 18, o governo abriu o de São Gonçalo.

O Hospital do Maracanã apresentou outros problemas, como denúncias de troca de respiradores novos por obsoletos e falta de medicamentos.

No dia 1 de julho, o Secretário de Saúde, Alexandre Bousquet, anunciou que o governo do Rio desistiu de concluir dois hospitais de campanha - Campos e Casimiro de Abreu - planejados para vítimas da pandemia da Covid-19.

Outras unidades que estavam em processo de construção em Duque de Caxias e Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e Nova Friburgo, na Região Serrana, serão concluídas, segundo Bousquet.

Bousquet afirmou que o contrato com a Iabas estava "judicializado" e que os pagamentos para a OS eram feitos através da interventora.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet