Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 24 de Setembro de 2021

1 2
:
2 8
:
3 0

Últimas Noticias

Enquete

Como você pretende investir o seu dinheiro nos próximos anos?

Notícias / Cidades

24 Jul 2020 - 14:40

Arma não estava carregada quando foi guardada em case, diz adolescente

Gazeta Digital

O namorado da adolescente de 14 anos que acabou disparando e matando Isabele Ramos, 14, afirmou em seu depoimento que não deixou arma pronta para tiro, no dia da tragédia. Ou seja, a arma teria sido engatilhada por alguém antes da tragédia. A informação consta no depoimento do menor dado ao delegado Wagner Bassi, da Delegacia Especializada do Adolescente (DEA), na segunda-feira (20).

Isabele Guimarães Ramos morreu no dia 12 de julho, após ser atingida por um tiro frontal no rosto. Laudo da Politec afirma que o tiro foi a curta distância e que o seu rosto possui vestígios de pólvora, o que comprovaria a curta distância. Ela estava na casa de uma amiga, que morava no Alphaville, onde foi fazer um bolo. No momento do tiro Isabele se encontrava no banheiro.De acordo com o depoimento que o  teve acesso, ao entregar a arma para o empresário Marcelo Cestari fazer a limpeza e a manutenção das duas armas que estavam em seu case, o adolescente disse ter vistoriado as armas para ver se ambas estavam municiadas.

 

“Primeiro, o menor olhou a imbel 380, tirando o carregador, tendo notado que havia munição no carregador, que ele colocou o carregador na mochila, que golpeou a arma sem carregador para ver se havia munição na câmara, que conseguiu observar mediante inspeção visual que não havia munição na câmara”, diz trecho do relato. Após a limpeza realizada por Cestari, o menor teria colocado o carregador na pistola e a colocado no case.

 

Com estas informações, o disparo só poderia ocorrer porque alguém manuseou e preparou a arma para o disparo. Ainda de acordo com o depoimento que o  teve acesso, a informação de que Cestari tinha interesse em comprar as armas não procede. E o convite para a limpeza da arma,  partiu do próprio empresário para o menor.

 

O depoimento do adolescendo foi confirmado pelo seu pai, Glauco Fernando Mesquita Corrêa da Costa, que também prestou depoimento na DEA. Eles diverge do depoimento dado por Marcelo Cestari, que afirmado aos delegados que tinha interesse em comprar a pistola para a prática de tiro esportivo para a filha e esposa.

Caminho e 2ª arma

O menor também explicou como tinha levado o case para a casa de sua namorada, no condomínio Alphaville I. Ele afirmou aos delegados que após o convite de Marcelo Cestari para que ele levasse sua arma para limpeza e manutenção, pediu autorização do pai, que iria acompanhá-lo.

Porém, como o pai estava dormindo após o almoço, decidiu ir para a casa da namorada com um carro de aplicativo, levando o case com a arma. Ele disse que só notou que a arma do pai estava em seu case na residência da namorada. A informação é corroborada no depoimento do seu pai.

Glauco explica que no sábado, véspera da tragédia, havia colocada a sua arma no case do filho na saída do clube de tiro, para que não levasse a arma em punho.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet