Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 24 de Setembro de 2021

1 1
:
3 6
:
1 4

Últimas Noticias

Enquete

Como você pretende investir o seu dinheiro nos próximos anos?

Notícias / Cidades

27 Jul 2020 - 09:20

UFMT prevê 70 mil casos até agosto e efeitos até final do ano

Pesquisador projeta que Cuiabá será primeira cidade a ter queda

LIDIANE MORAES/Folha Max

De acordo com o professor pesquisador Moisés Cecconello, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a curva de contágio da Covid-19 deve começar a reduzir no início do mês de setembro em Mato Grosso. Essa afirmação foi feita ao Jornal do Meio Dia, da TV Vila Real.

O achatamento da curva deve começar por Cuiabá, que foi uma das cidades onde os casos também começaram mais cedo. Por isso, a tendência de que também termine antes. “De acordo os dados analisados entre os dias 20 de março e 30 de maio, a perspectiva é que Mato Grosso apresente um declínio a partir do início de setembro. Isso, no Estado com um todo. Claro que, cada região terá um tempo diferente, em razão da característica e das medidas adotadas. Tudo isso influência no declínio”, afirmou. Projeção do professor Cecconello é semelhante à projeção divulgada pelo deputado Lúdio Cabral (PT) que também faz um acompanhamento junto a um núcleo da UFMT. E a estimativa é que até o dia 1º de agosto Mato Grosso deva atingir mais de 70 mil casos confirmados. “Sim, se o contágio continuar acelerado como está, este número pode sim, se confirmar. Sendo que o período mais crítico seria entre a segunda quinzena de agosto e o início de setembro”, comentou.

Porém, os dados podem ser melhores ou piores de acordo com comportamento da população e as medidas adotadas pelos gestores para conter a pandemia. “O ocorrência dessas previsões dependem de diversos fatores. Um deles é quanto aos dados divulgados. Precisamos ter dados confiáveis para embasar a pesquisa e ter assertividade. Outro fator é o isolamento social, quanto mais pessoas aderirem ao isolamento social, mais diminui o número de pessoas infectadas e, consquentemente, ocorre o achatamento da curva. E isso minimiza também o impacto na rede de saúde”. 

No entanto, o professor esclarece que o declínio também é lento, não vai ocorrer de uma hora pra outra. Assim como houve um período para a doença chegar neste patamar, haverá um tempo que o estado esteja livre da circulação do vírus. “Mesmo com a melhora nos índices de contágio, o Estado vai sofrer com o reflexo da epidemia até o final do ano”, afirma.

Segundo ele, os mecanismos mais eficientes para reduzir a contaminação e controlar a velocidade do vírus, é o isolamento social e as medidas básicas de higiene. “As pessoas começam a flexibilizar o isolamento social e isso é um erro, porque vamos sofrer com um número crescente de casos, então a prevenção é o isolamento e as medidas básicas de higiene”, frisa.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet