Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 15 de Agosto de 2020

1 0
:
1 4
:
5 2

Últimas Noticias

Notícias / Economia

31 Jul 2020 - 08:20

TJ suspende demolição de mansões e resort às margens do Lago de Manso

Decisão deve favorecer outros donos de áreas na região, inclusive o Malai Manso Resort

Folha Max

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)

Publicidade

O desembargador João Ferreira Filho, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, acatou uma representação do advogado Alex Franco Vieira de Carvalho e suspendeu a reintegração de posse de uma propriedade nas margens do Lago de Manso. O recurso foi impetrado contra a Furnas Centrais Elétricas S/A, responsável pela usina de Manso.

“Pelo exposto, admito a interposição recursal tal como efetivada (CPC, art. 1.015), de modo que recebo e autorizo o processamento do agravo por instrumento, e defiro parcialmente o pedido de atribuição do efeito suspensivo ao recurso, mas apenas para suspender a determinação para que o réu/agravante desocupe a área litigiosa no prazo assinalado, ficando o quadro assim acertado até que a Turma Julgadora, melhor e mais informada pelo subsídio de outros elementos que virão aos autos, inclusive pelo contraponto que será feito pelas contrarrazões, possa decidir com certeza e segurança sobre o mérito do recurso”, diz trecho da decisão.O magistrado ainda determinou o envio dos autos para a Justiça Federal, para saber do interesse da União em participar do feito.

Segundo as informações, a concessionária ingressou com 40 ações para anular as benfeitorias feitas por proprietários de terrenos às margens do lago. Entre os “alvos” da ação, está o resort de luxo Malai Manso.

Algumas decisões foram deferidas pelo juízo de Chapada dos Guimarães. No último dia 23, inclusive, algumas reintegrações de posse foram cumpridas.

A ação de Furnas, assinada pelo advogado Alexandre Ryuzo Sugizaki, requereu a retirada de benfeitorias construídas a até 290 metros ao redor do lago. “É latente que a ocupação imposta pelo réu é irregular, à medida que vem se utilizando de área de preservação permanente para a construção de edificações sem as devidas autorizações dos órgãos governamentais competentes, conforme demonstra a autora através de croqui e fotos anexas”, diz a representação de Furnas, que foi acatada em 1ª instância.

Furnas – que é concessionária de serviços público de energia elétrica – alegou que nenhuma benfeitoria poderia ser construída na área, que foi desapropriada em fevereiro de 1958 para a construção da usina. A concessionária apontou que é a responsável pela preservação ambiental das margens do lago.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet