Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 15 de Agosto de 2020

1 1
:
3 3
:
4 8

Últimas Noticias

Notícias / Economia

31 Jul 2020 - 09:40

STJ manda "trades" pagarem R$ 14 mi a produtor em recuperação de R$ 135 mi em MT

Soja do Grupo Nicoli sofreu arresto durante período em que recuperação judicial estava suspensa por decisão do Tribunal de Justiça

Folha Max

reporteragro:Tiago Seiffert

 (Crédito: reporteragro:Tiago Seiffert)

Publicidade

Em decisões proferidas pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), as trades Louis Dreyfus Company Brasil S.A e Fiagril Ltda foram obrigadas a realizar depósitos judiciais de R$ 11,127 milhões e R$ 3,149 milhões, respectivamente, em favor do grupo Nicoli Agro ME. O valor total chega a R$ 14,227 milhões é referente à soja arrestada pelas empresas em 2019, no período em que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) suspendeu a recuperação judicial do produtor rural, que havia sido deferida pela 2ª Vara Cível da cidade dias antes.

Com recuperação judicial aprovada em fevereiro de 2019, o TJMT - no mesmo mês -, suspendeu a recuperação judicial por ação interposta pela da própria Louis Dreyfus. Em maio do mesmo ano, porém, o ministro do STJ, Marco Aurélio Bellizze, emitiu liminar que suspendeu a decisão do TJMT, e autorizou os produtores rurais a continuarem com o processo de recuperação judicial.Neste meio tempo, entre a decisão do TJMT e o entendimento do STJ, a Fiagril e Dreyfus arrestaram toda produção de 2019 do produtor rural. Só agora, mais de um ano depois, a Justiça determinou a devolução na integralidade dos grãos, em dinheiro.

Segundo o advogado do Grupo ERS, responsável pela recuperação judicial da Nicoli Agro, o processo de reequilíbrio das dívidas do agronegócio deve ser menos jurídico e mais negocial. “As trades precisam entender que durante décadas o sistema de financiamento tomou do setor produtivo mais do que a planta podia dar, daí chegamos a um endividamento irreal do setor, impagável como está, pois os grãos não produzem suficiente para entregar ao sistema. Estamos falando de R$ 700 bilhões no agronegócio, dos quais R$ 140 bilhões estão somente em Mato Grosso”, afirma.

Segundo ele, se as negociações não passarem por profissionais dispostos a acharem soluções benéficas para ambos os lados, caberá à mão pesada do Judiciário resolver o assunto.

Os depósitos judiciais foram realizados 10 dias antes do prazo final determinado pelo STJ, evitando a incidência da multa diária de R$ 100 mil às trades. “A partir do dia 20 de julho incidiria multa para cada uma das trades. Esse prazo foi decisivo para que as empresas cumprissem a ordem judicial. Há uma indisposição natural delas em encerrar o assunto, o que é lógico, pois algumas têm ganho financeiro de mais de 30%. Já os produtores, quando não conseguem mais rolar a dívida, entregam a terra”, pondera.

Recuperação do Grupo Nicoli

O Grupo Nicoli atua há 18 anos na agricultura com o cultivo de soja, milho, arroz e pastagens nas cidades de Cláudia, Itaúba, Santa Carmem e Nova Canãa do Norte.

Com passivo de aproximadamente R$ 135 milhões, o grupo entrou com pedido de recuperação judicial em fevereiro de 2019. A recuperação foi autorizada pelo juiz Cleber Luis Zeferino de Paula, da 2ª Vara Cível de Sinop (MT). O Grupo Nicoli é formado por Alessandro Nicoli, sua esposa Alessandra Campos de Abreu Nicoli e a empresa Nicoli Agro Ltda.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet