Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 18 de Setembro de 2020

1 3
:
3 7
:
2 7

Últimas Noticias

Notícias / Judiciário

12 Ago 2020 - 15:20

Juíza nega ação contra lei que equipara salário de comissionados ao das funções mais altas do Estado

Vinicius Mendes/OlharDireto

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
A juíza Celia Regina Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular, extinguiu uma ação que buscava anular uma lei que, em tese, equipararia os salários dos agentes comissionados aos de servidores com a função mais elevada do Estado. A magistrada citou que para este pedido seria necessária uma ação direta de inconstitucionalidade e não uma ação popular, que foi o meio utilizado.A ação popular foi proposta por Leslie Christine Lourenço Liberatti, contra o Governo do Estado e a Assembleia Legislativa de Mato Grosso, objetivando a declaração de nulidade da lei de iniciativa do Poder Executivo, que “em tese equipararia os salários a serem pagos aos agentes comissionados em alto escalão de relevância para o governo, e de acordo com a isonomia salarial, no desempenho desse trabalho, obriga­se a pagar a tias agentes o salário compatível com a função mais elevada no organização do Estado".

A autora da ação alega que a lei não atende os requisitos constitucionais e valores morais, além de extrapolar os limites financeiros do Estado, ainda mais levando em consideração os esforços e recursos que devem ser empregados no combate à Covid-19.

Ela afirma que a referida lei fere dispositivos da Constituição Estadual e da Constituição Federal. A autora requereu concessão de liminar para suspender os pagamentos "de vultuosos valores em tempos de covid ­19 e sem o preenchimento dos requisitos legais",  bem como, no mérito, pediu a anulação da lei.

A juíza, porém, entendeu que a ação não deve prosperar, "haja vista a falta de interesse processual, por inadequação da via escolhida". A magistrada explicou que a finalidade da ação popular é anular ato concreto que "lesione, prejudique, danifique ou ofenda patrimônio público, patrimônio de entidade de que o Estado participe, moralidade administrativa, meio ambiente ou, ainda, patrimônio histórico ou cultural". No caso, esta ação popular busca a declaração de nulidade da lei.

"Ao esclarecer qual é o pedido de mérito desta ação, a requerente deixou claro que pretende não a anulação de um ato ou um contrato administrativo que tenha causado lesão, de forma ampla, ao patrimônio público, mas sim, a retirada do ordenamento jurídico, da Lei Complementar Estadual n.º 662/20, por suposta ofensa as Constituições Estadual e Federal", disse.

A magistrada afirmou que não cabe ação popular contra lei em tese, mas apenas para invalidar atos concretos, lesivos ao patrimônio público. Com base nisso ela indeferiu o pedido e extinguiu o processo."A ação popular também não pode ser utilizada como mecanismo de controle abstrato da validade constitucional de leis ou quaisquer atos normativos abstratos, pois não é substituta da ação direta de inconstitucionalidade".

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet