Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 18 de Setembro de 2020

1 3
:
0 7
:
4 1

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Geral

27 Ago 2020 - 14:10

Relator vota pela aplicação de multa de R$ 50 mil a Taques, mas julgamento é adiado

Vinicius Mendes/Olhardireto

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
O juiz-membro do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, Jackson Francisco Coleta Coutinho, votou pela condenação do ex-governador Pedro Taques ao pagamento de R$ 50 mil, por considerar conduta vedada nas ações da Caravana da Transformação de 2018. O julgamento acabou sendo adiado após pedido de vistas do desembargador Sebastião Barbosa.De acordo com o relator, juiz-membro Jackson Coutinho, o PDT busca a aplicação de multa e inelegibilidade de Pedro Taques em decorrência da realização da Caravana da Transformação em 2018, supostamente em período eleitoral. O partido argumenta que houve promoção pessoal na distribuição gratuita de bens e benefícios na Caravana da Transformação.

No início do julgamento o ex-governador levantou uma questão de ordem, referente à ordem das manifestações orais. Taques argumentou que a Procuradoria Regional Eleitoral se manifestou depois da defesa e faria sustentação oral após manifestação da defesa, sendo que isso seria ofensa à dignidade da pessoa humana e ao direito fundamental do contraditório e ampla defesa.

O procurador regional eleitoral, Pedro Melo Pouchain, disse que neste processo o Ministério Público não atua como parte, mas sim como fiscal da lei. Além disso o procurador renunciou da sustentação oral neste julgamento, mantendo o parecer escrito lançado nos autos. 

O presidente do TRE-MT, desembargador Gilberto GIraldelli, explicou que quando o Ministério Público atua como fiscal da lei, se manifesta depois das partes. A maioria dos membros do Pleno do TRE então considerou prejudicada a questão de ordem.

Em sua manifestação, Taques disse que a última edição da Caravana da Transformação realizada antes das eleições não foi em período vedado. Ele disse que ela ocorreu em maio e em junho houve apenas o retorno das consultas oftalmológicas. "Foi uma continuidade, não houve o evento da Caravana da Transformação", disse Taques.

O ex-governador também afirmou que não foram distribuídos bens durante o período vedado. Ele explicou que foram oferecidos serviços de saúde e cidadania apenas, inclusive com parceria do Poder Judiciário em alguns deles. Taques disse que a Caravana foi resultado da construção de política pública de saúde, que é função constitucional do Estado.

"Os bens que foram distribuídos foram mudas do Juvam, mas a Sema distribuiu isso nos anos de 2016 e 2017 [...] Em 2018 não houve distribuição de bens, houve a concretização de políticas publicas voltadas à saúde", disse.

Em seu voto o relator, juiz-membro Jackson Coutinho, citou que as ações não se limitaram exclusivamente a serviços de saúde e cidadania. Ele verificou que a agenda do então governador, nos municípios onde foram realizadas edições da Caravana no ano de 2018,  compreendia o lançamento, visita, inauguração de obras e serviços, além de reuniões e distribuição de materiais.

Ele concluiu que ficou demonstrada a abusividade das ações realizadas. Ele argumentou que nas visitas com a Caravana houve promessa de benfeitoria e entrega de bens, o que configura caráter eleitoreiro e abuso de poder.

O juiz-membro ainda mencionou que nas edições anteriores ao ano eleitoral foram gastos cerca de R$ 4 milhões por edição, enquanto nas Caravanas realizadas em 2018 os gastos ultrapassaram R$ 8 milhões.

"Ainda que não tenha sido disponibilizada a distribuição gratuita de bens ou serviços durante o ano eleitoral, a exemplo de cursos de cortes de cabelo e design de sobrancelhas, sorteio de mudas ornamentais e frutíferas, entendo afetado o equilíbrio da disputa eleitoral através da prática de conduta vedada", disse o relator.Ele então votou pela procedência do pedido do PDT, com determinação de pagamento de multa de R$ 50 mil por parte de Taques e anotação no sistema ASE 540 (inelegibilidade como efeito secundário). O julgamento acabou sendo adiado após pedido de vistas do desembargador Sebastião Barbosa.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet