Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Quarta-feira 21 de Outubro de 2020

1 3
:
5 1
:
1 2

Últimas Noticias

Notícias / Polícia

8 Set 2020 - 14:10

Irmão contradiz atiradora em Cuiabá

Thalyta Amaral e Pablo Rodrigo

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
O irmão da menor que atirou em Isabele Ramos deu uma versão diferente daquela que ela disse em depoimento da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). Diferente da irmã, o adolescente, que faz parte dos trigêmeos, disse durante a reconstituição da noite do crime que a maleta das armas não foi guardada logo após o disparo que matou Isabele. A informação consta no laudo da reconstituição da cena do crime que o  teve acesso.

A menor que atirou em Isabele dentro do banheiro da suíte, na noite de 12 de julho, disse aos policiais que assim que seu irmão e o namorado da irmã gêmea chegaram ao banheiro ela "correu até o closet do quarto da mão para guardar o case e as armas no armário".

No entanto, durante a reconstituição do crime o irmão e cunhado da menor afirmaram que quando ouviram os gritos no banheiro e subiram até a suíte a maleta com as duas armas estava sobre a escrivaninha no quarto. E o case não estava nas mãos da menor, como alegado em depoimento, segundo laudo da reconstituição do crime.

Durante a reprodução simulada, o irmão da menor também afirmou que ao chegar no banheiro a encontrou "pulando e gritando 'Bel, Bel, Bel' (...) gesticulava com as duas mãos abertas vibrando na altura do rosto, demonstrando desespero", diz trecho do laudo.

Outro fator que reforça que a maleta não estava no banheiro foi a ausência de sangue no item. Foram realizados exames com reagente químico luminol na parte externa e interna do case, sem que fossem encontrada presença de sangue.

O caso

Isabele Guimarães Ramos, 14, foi morta com um tiro no rosto quando estava na casa da melhor amiga, uma adolescente de também 14 anos. A amiga alegou que o disparo que matou Isabele foi acidental, no entanto, o inquérito da Polícia Civil concluiu que o homicídio foi doloso, ou seja, com intenção de matar.

A investigação durou 50 dias e o inquérito foi encaminhado para o Ministério Público do Estado (MPE), com 4 pessoas apontadas. A menor que atirou foi autuada por ato infracional análogo a homicídio doloso. O pai dela, Marcelo Cestari, responde por entregar arma a menor de idade, homicídio culposo, fraude processual e posse de arma de fogo.

Já o namorado da menor que atirou, por ter levado as armas à casa da família Cestari, foi autuado por ato infracional análogo à posse de arma de fogo. E o pai dele, Glauco Fernando Mesquita Correa da Costa, foi indiciado por omissão de cautela, já que tinha responsabilidade sobre as armas.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet