Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 19 de Setembro de 2020

1 5
:
3 0
:
2 3

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Geral

9 Set 2020 - 14:30

STF não conhece recurso do MPE contra decisão que anulou processo do Gaeco

Arthur Santos da Silva/Olhardireto

Rogério Florentino/ Olhar Direto

 (Crédito: Rogério Florentino/ Olhar Direto)
O ministro Celso de Mello, membro do Supremo Tribunal Federal (STF), não conheceu recurso do Ministério Público Estadual (MPE) contra decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) que anulou processo criminal instaurado por denúncia do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).O processo, contra o réu Anildo José de Miranda e Silva, defendido pelo advogado Ulisses Rabaneda, foi anulado em decisão da Turma de Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

No caso apreciado, o empresário Anildo José de Miranda e Silva, que foi condenado pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá por cobrar R$ 20 mil de propina do presidente da Câmara Municipal de Jaciara, teve a sentença anulada.

O TJMT considerou ilegal a participação de promotores de justiça integrantes do Gaeco no ato processual realizado durante a instrução criminal, isto é, no curso da ação penal instaurada.

Conforme decisão, não há previsão na lei que criou o Gaeco sobre atuação dos promotores de Justiça nele lotados na fase instrutória.
 
No STF, Celso de Mello esclarecer que a questão foi decidida com base no direito local (Lei Complementar estadual nº 119/2002 e Resolução nº 16/2003 do Colégio de Procuradores de Justiça), sem qualquer repercussão direta no plano normativo da Constituição da República, configurando situação que inviabiliza a possibilidade de utilização do recurso extraordinário.
 “Sendo assim, e em face das razões expostas, não conheço do recurso extraordinário, por manifestamente inadmissível”, decidiu o ministro no dia 18 de agosto.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet