Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 18 de Setembro de 2020

1 4
:
0 4
:
4 1

Últimas Noticias

Notícias / Cidades

14 Set 2020 - 12:30

Imagens mostram luta de força-tarefa para resgatar animais feridos no Pantanal; veja

Wesley Santiago

Rogério Florentino/Olhar Direto

 (Crédito: Rogério Florentino/Olhar Direto)
A força-tarefa criada pelo Comitê Estadual de Gestão do Fogo, do Governo de Mato Grosso, continua o árduo trabalho de resgate dos animais atingidos pelo fogo no Pantanal. Olhar Direto esteve neste fim de semana acompanhando a doação dos profissionais para tentar salvar os que sobreviveram a devastação causada pelo fogo na região. Até última semana, mais de um milhão de hectares já haviam sido queimadas.A reportagem conseguiu flagrar o resgate de diversos animais, muitos deles com queimaduras provocadas pelo fogo, principalmente nas suas patas. Muitos outros, porém, não tiveram a mesma sorte. São vários os retratos dos bichos que perderam a vida no até então rico bioma mato-grossense.O cemitério de cinzas ainda arde e, junto com o trabalho de resgate, também continua o combate às chamas em meio ao Pantanal. Os homens do Corpo de Bombeiros e voluntários tentam de forma incansável controlar da forma que é possível o avanço das queimadas. Até pontes precisam ser resfriadas para que não sejam atingidas.
 
Em meio à cortina de fumaça, ainda é possível enxergar a sombra de pássaros em cima das árvores, mas é fato que a grande maioria dos bichos que ainda sobreviveram procuram por um lugar seguro.Entre as ações, há um Posto de Atendimento a Animais Silvestres localizado no quilômetro 17 da Transpantaneira, que liga o município de Poconé a Porto Jofre. Desde sua criação, em agosto de 2020, diversos  animais de pequeno e grande porte foram salvos.
 
A estrutura para abrigar os animais conta com ambulatório, almoxarifado, armário com medicamentos, alojamentos, cozinha, banheiro e recintos específicos para os bichos. Os recintos para transporte animal e tratamento foram feitos com a mão de obra de reeducandos e uso de madeira apreendida.Entre os animais resgatados pelo comitê, há onças, lobetes, iguana, anta, jabuti, garça, jaguatirica; entre outros. Em casos de cirurgia ou atendimentos mais graves, os animais são encaminhados para clínicas parceiras ou instituições ecológicas de outros Estados do Brasil.
 
"Eu não imaginava a gravidade do que está acontecendo aqui e o tamanho da área afetada por esses incêndios. Aparentava ser um controle simples de só apagar as chamas, mas quando o fogo termina em uma parte, já percebemos ele começando em outra", relatou o médico veterinário e voluntário, Fernando Rogério, que está há quase uma semana no Pantanal para auxiliar nos resgates.A equipe de resgate é formada por veterinários, biólogos, e estagiários que se revezam na operação realizada em períodos alternados em áreas queimadas ou que o fogo pode chegar, seja durante o dia ou noite. O grupo conta com o suporte do Corpo de Bombeiros em todas as ações, devido ao perigo dos incêndios ou animais maiores que apresentam riscos.
 
Os membro da equipe são responsáveis por resgatar e também distribuir alimentos em pontos estratégicos para que os bichos consigam localizar e se alimentar. A identificação dos pontos para distribuição de frutas e legumes é feita com base em localização de corixos (ambientes com poças de água). Estes são localizados com uso de aplicativo e monitoramento das equipes que avaliam também a questão do consumo dos alimentos, conforme explicou a médica veterinária Karen Ramos. Ela é responsável por liderar as equipes de trabalho em campo do PAEAS.
 
As equipes do Corpo de Bombeiros com o apoio de tratores estão fazendo demarcações em uma área de 50 quilômetros para criar uma espécie de aceiro (faixas ao longo das cercas onde a vegetação foi completamente eliminada da superfície do solo). A finalidade é prevenir a passagem do fogo para área de vegetação, evitando-se assim queimadas e criando também espaços para que os animais como onças e outras espécies menores possam escapar do fogo.O trabalho segue sem previsão para terminar e a expectativa é de que as chuvas previstas para o mês de outubro possam contribuir para amenizar os impactos no meio ambiente e na vida animal. Ainda não há um levantamento sobre a porcentagem de animais encontrados mortos ou quantos estariam ameaçados pelos incêndios.

Um milhão de hectares queimados. Este foi, até agora, o estrago causado pelo fogo no Pantanal, segundo o secretário executivo do Comitê Estadual de Gestão do Fogo (CGF), Paulo André da Silva Barroso. Devido a tamanha extensão da tragédia, não há nem como estimar o número animais mortos no bioma mato-grossense.

Para tentar frear ainda mais o avanço das chamas, o governo passa a testar o uso de retardantes para controlar os incêndios florestais. 

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet